nsc
    nsc

    Política

    Custo das férias de Bolsonaro em Santa Catarina e São Paulo ultrapassa R$ 2,3 milhões

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    01/04/2021 - 13h06 - Atualizada em: 02/04/2021 - 09h25
    Bolsonaro com turistas em dezembro, em São Francisco do Sul
    Bolsonaro com turistas em dezembro, em São Francisco do Sul (Foto: Ivan Costa/Divulgação)

    As férias de fim de ano do presidente Jair Bolsonaro em Santa Catarina e no Litoral de São Paulo, entre 18 de dezembro e 5 de janeiro, custaram aos cofres públicos mais de R$ 2,3 milhões. As informações foram fornecidas pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e pela Secretaria-Geral da Presidência da República, em resposta a um questionamento oficial da Câmara dos Deputados, apresentado pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO).

    > Veja como foi a passagem de Bolsonaro por São Francisco do Sul durante o feriado de Carnaval

    Os dados incluem somente o primeiro período de férias de Bolsonaro no Estado, quando ele se hospedou no Forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, de 19 a 23 de dezembro, depois de sobrevoar áreas atingidas pela enxurrada no Alto Vale. Em São Paulo, no Guarujá, ele permaneceu de 28 a dezembro a 4 de janeiro. Não entraram na conta as despesas do presidente no feriadão de Carnaval, que ele também passou em Santa Catarina.

    > Sem máscara, Bolsonaro tira fotos com banhistas e provoca aglomeração em praia de SC

    O relatório entregue pela Secretaria-Geral da Presidência apontou custo de R$ 1,196 milhão em hospedagem, alimentação, despesas de aeroportos e combustível.

    O GSI, por sua vez, informou que gastou R$ 202,5 mil com as diárias dos agentes. Estão incluídos os gastos de toda a equipe que acompanha o presidente – inclusive os agentes de segurança, que chegam com vários dias de antecedência às cidades que ele vai visitar. Também declarou custo de US$ 185 mil com as aeronaves usadas nas duas viagens, incluindo gastos de manutenção e combustível. Esse custo foi coberto pelo orçamento da Aeronáutica.

    > Acuado com ‘arrastão’ do Centrão, Bolsonaro flerta com radicalismo

    A coluna conversou com o deputado Elias Vaz, que apresentou o pedido de informações à Presidência da República. Segundo ele, os dados foram entregues sem especificação de data, o que não permite calcular qual foi o gasto específico do presidente e seus convidados em Santa Catarina.

    > Acabou a folia: Em SC, Bolsonaro curtiu Carnaval negado aos brasileiros

    - Eles só colocaram o valor global. Tem o gasto aéreo, que é de 185 mil dólares, o do pessoal de segurança, e o cartão corporativo dele, que é R$ 1.196.000. Onde daria para discriminar era no cartão corporativo, mas eles alegam que só podem fornecer o valor. Eu estou discutindo isso na Justiça.

    No entendimento do deputado, não há razão para manter em sigilo informações de segurança, como o hotel escolhido pelas equipes da presidência, depois que o período de hospedagem já aconteceu.

    >. Visita de Bolsonaro a SC tem pesca, surfe e provocação a Lula; veja imagens

    O parlamentar diz que não tem dados comparativos de outras férias presidenciais, mas avalia o contexto da viagem.

    - Em um período de pandemia, em que o mundo tinha começado a vacinar e o Brasil ainda não, estávamos chegando a quase 200 mil mortos, estava acabando o auxílio emergencial, e o presidente tirou férias e gastou um dinheirão, dinheiro público. Isso daria para atender 8 mil famílias com auxílio emergencial de R$ 300 - afirma o deputado.

    Elias Vaz diz que está avaliando se há algo que possa ser questionado juridicamente. Ele não descarta a possibilidade de levar as férias de Bolsonaro ao Ministério Público ou ao Tribunal de Contas da União. 

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas