nsc
    nsc

    Polêmica

    Deputada antifeminista propõe ‘procuradoria do homem’ na Alesc

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    06/04/2021 - 16h15 - Atualizada em: 06/04/2021 - 17h36
    Deputada Ana Campagnolo é autora do projeto que cria Procuradoria do Homem
    Deputada Ana Campagnolo é autora do projeto que cria Procuradoria do Homem (Foto: Solon Soares/Agência AL)

    A deputada estadual Ana Campagnolo (PSL), que se posiciona como antifeminista, protocolou um projeto de lei para criar a ‘Procuradoria do Homem’ no Legislativo catarinense. A proposição é uma resposta à aprovação da Procuradoria da Mulher na Comissão de Constituição e Justiça – um projeto da bancada feminina da Alesc, da qual Campagnolo não participa.

    > O que significa deputados de SC posarem com armas no aniversário do golpe de 64

    O projeto da ‘Procuradoria Especial do Homem’ leva as assinaturas dos deputados que integram a bancada do PSL: Coronel Mocelin, Felipe Estevão, Jessé Lopes e Ricardo Alba. O texto diz que a finalidade da proposta é “a defesa e a promoção da igualdade, da autonomia, do empoderamento e da representação dos homens, bem como o enfrentamento a todas as formas de discriminação e de violência contra o homem”.

    Também constam como objetivos “atuar pela participação mais efetiva dos deputados nos órgãos e nas atividades da Alesc” e fomentar a participação e a representação dos homens na política”. O projeto, agora, vai tramitar pelas comissões da Alesc.

    > “Somos obrigados a escolher, ou vai morrer mais gente”, diz médica sobre fila da UTI

    Representatividade

    Os homens são ampla maioria no Legislativo catarinense. A legislatura da qual Campagnolo faz parte tem recorde histórico no número de mulheres parlamentares – mesmo assim, são apenas seis, entre 40 deputados. Uma proporção de quase cinco homens para cada mulher.

    Esse é um dos focos de atuação da Procuradoria da Mulher, projeto da bancada feminina que foi questionado por Campagnolo. Os objetivos incluem atuar na criação e estímulo de políticas públicas que defendam os direitos das mulheres, e promover o empoderamento e o engajamento das mulheres na política. 

    > Exemplo para Bolsonaro, Chapecó ainda tem UTIs lotadas e letalidade acima da média

    O Brasil é um dos países com pior representatividade feminina - ocupa o 154º lugar no ranking de proporção de mulheres nos parlamentos.

    Além da aprovação da Procuradoria da Mulher na CCJ, a bancada feminina contabilizou outra vitória na semana passada: a instalação do Observatório Estadual da Violência Contra a Mulher no Legislativo, sob coordenação da deputada Luciane Carminatti (PT). É o primeiro no Brasil. 

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas