Um despacho do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre um pedido de habeas corpus para um empresário, pivô da Operação Mensageiro, ajuda a entender até onde a polícia e o Ministério Público já chegaram nas investigações do “escândalo do lixo” em Santa Catarina. Uma das revelações feitas pelo documento é que a apuração conta com imagens da entrega de dinheiro a prefeitos.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

“Há diversas imagens de encontro do investigado com agentes públicos, extrações de dados de encontros e contatos, filmagem de maços de dinheiro em frente à casa de um prefeito” relata trecho do pedido de prisão, determinado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina e citado pela ministra do STJ, Laurita Vaz.

Quem é o empresário apontado pelo MP-SC como “mensageiro” da propina para prefeitos

As investigações correm em sigilo, e até agora poucas informações vazaram. Mas sabe-se que ele é considerado “o mensageiro”, que dá nome à operação. Para o Gaeco e o Grupo Anticorrupção do MPSC (Geac), ele seria o responsável por intermediar as negociações obscuras em contratos de serviços de coleta e descarte de lixo em diversas cidades no Estado, para o Grupo Serrana.

Continua depois da publicidade

Trecho do despacho de prisão indica que a operação, que já levou sete prefeitos de Santa Catarina à prisão, ainda pode ter novos desdobramentos, falando em “dezenas” de pessoas. O texto diz que o empresário seria o “principal responsável pela entrega de propina para dezenas de agentes públicos”.

Empresa investigada na Operação Mensageiro tem ao menos R$ 14 milhões em contratos com prefeituras

Por fim, afirma que o preso “demonstra elevada infiltração e conhecimento no mundo da criminalidade, ao ponto de ter parado de utilizar o veiculo que estava sendo monitorado, bem como alterar constantemente suas linhas telefônicas”. Esta foi a justificativa para o mandado de prisão no TJSC.

O empresário está preso desde dezembro, e seus pedidos de habeas corpus foram negados até agora em Brasília.

Investigadores têm provas “pesadas” contra os 7 prefeitos presos na Operação Mensageiro

Conforme a coluna de Anderson Silva, os movimentos dele foram acompanhados pelo MPSC por um ano e meio. Foi por meio desse monitoramento que a investigação avançou sobre os prefeitos. O empresário deixou o Grupo Serrana em 2013, mas teria seguido com a responsabilidade de fazer o pagamento de propinas.

Continua depois da publicidade

Procurado pela coluna, o advogado responsável pela defesa, disse que o processo está em “sigilo máximo”, e por isso não pode comentar os fatos.

Leia mais

A vida de luxo do “braço direito” do Escobar Brasileiro em Balneário Camboriú

Jorginho institui Escola Sem Partido em SC para atender deputada que “caçou” professores

Vereadoras ameaçadas em SC pedem proteção à Polícia Federal

Exclusivo: Prefeito de Lages, Ceron teria recebido mesada de R$ 50 mil de pivô da Operação Mensageiro

Destaques do NSC Total