nsc
    nsc

    Política

    Guinada na gestão da pandemia em SC motivou saída de superintendente de Vigilância

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    12/01/2021 - 07h55 - Atualizada em: 12/01/2021 - 08h05
    Raquel Bittencourt, superintendente de Vigilância em Saúde, deixou o cargo
    Raquel Bittencourt, superintendente de Vigilância em Saúde, deixou o cargo (Foto: Fábio Queiroz, Agência AL)

    Revelada pelo colega Anderson Silva, a saída de uma das principais referências no enfrentamento à Covid-19 no Estado, a superintendente de Vigilância em Saúde, Raquel Bittencourt, tem como pano de fundo o descontentamento de uma parte da cúpula da Secretaria de Estado da Saúde com a guinada que o governo deu na gestão da pandemia. Um desconforto que deve gerar mais baixas nos próximos dias.

    > Referência no combate ao coronavírus em SC, superintendente de Vigilância deixa o cargo

    Foi Raquel quem pediu exoneração ao secretário André Motta Ribeiro, ainda em dezembro. Oficialmente, teria alegado motivos pessoais e foi convencida a permanecer um pouco mais à frente da superintendência – mas, na semana passada, o secretário requisitou o cargo. A superintendente estaria incomodada com a forma como o governo mudou a políticas de enfrentamento ao longo dos últimos meses. E não é a única.

    > ‘Vamos ser vacinados e vamos continuar tendo que usar máscaras’, diz pesquisadora da Fiocruz

    Dois outros postos de chefia ainda devem sem substituídos. Na Diretoria Estadual de Vigilância Epidemiológica (Dive), Maria da Graça Chraim dos Anjos já foi comunicada que não é mais gestora. Na Diretoria de Vigilância Sanitária, Lucélia Ribas Kryckyi fica apenas até o fim do mês.

    > Tratamento com ozônio contra Covid-19 em Itajaí já atendeu mais de 80 voluntários

    A saída de gestores que ocupam postos chave apontam para um racha na Secretaria de Estado de Saúde, onde o clima não é bom há meses. Internamente, a expectativa era de que o retorno do governador Carlos Moisés (PSL) ao cargo, após o arquivamento do primeiro processo de impeachment, colocaria água na fervura e resgataria um modelo de atuação na pandemia embasado nas recomendações dos técnicos da saúde. Não foi o que aconteceu.

    O retorno de Moisés escancarou a política de ‘liberou-geral’ iniciada por Daniela Reinehr. E isso incomodou uma parte dos especialistas.

    > Opinião: descontrole em SC prende em casa quem segue as regras contra Covid-19

    > Coronavírus já fez mais de 5,6 mil vítimas em SC; casos ativos aumentam

    Os problemas internos ficaram evidentes no depoimento dado por servidores da Saúde ao Ministério Público, no âmbito da ação que pede o restabelecimento dos decretos mais restritivos em relação aos eventos e à hotelaria. Chamados a se manifestarem, membros do Conselho de Operações de Emergência em Saúde (Coes) disseram que não tinham sido ouvidos pelo governo em relação às novas flexibilizações, e que a recomendação do corpo técnico era para que SC reduzisse a circulação de pessoas, com o objetivo de frear as contaminações.

    As mudanças na Saúde ocorrem em momento delicado, quando Santa Catarina segue com um alto número de casos ativos e de óbitos, e se prepara para dar início à vacinação. A dispensa de gestores indica que o caminho adotado pelo governo, de apostar na liberação de atividades, ainda que na contramão de boa parte do país, é uma escolha sem volta. O governador Carlos Moisés (PSL) disse, ao retornar ao cargo, que era hora de quebrar os retrovisores. Fica cada vez mais claro que isso servia também para a gestão da pandemia.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas