A oferta de ozonioterapia com aplicação retal na rede pública de saúde de Itajaí, para tratamento experimental de pacientes com Covid-19, teve adesão de mais de 80 voluntários até agora. Ao todo, 49 pacientes concluíram o tratamento. Os primeiros dados sobre a eficácia começam a ser reunidos em abril.

Continua depois da publicidade

> Prefeito de Itajaí sugere aplicação retal de ozônio para tratar coronavírus

> Bolsonaro faz piada com “ozônio de Itajaí” e Covid-19

O tratamento gerou memes e piadas nas redes sociais em agosto do ano passado, quando foi anunciado pelo prefeito Volnei Morastoni (MDB). Diante da repercussão a prefeitura chegou a adiar o início da oferta de aplicações de ozônio na rede pública, e começou o protocolo sem alarde.

> Itajaí deve desistir de distribuir ozônio para tratar coronavírus, recomenda MP

Continua depois da publicidade

A pesquisa é conduzida pela Associação Brasileira de Ozonioterapia (Aboz), que conseguiu autorização da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para fazer os estudos. De acordo com o presidente da entidade, médico Arnoldo de Souza, há instituições públicas e privadas em outras cinco cidades, além de Itajaí, que aderiram aos testes.

> “Ozonioterapia é prática experimental”, diz CFM sobre uso em tratamentos como do coronavírus

O protocolo experimental também é aplicado em Araraquara (SP), Campina Grande (PB), Cascavel (PR), Rio de Janeiro (RJ) e Governador Valadares (MG). A Aboz está em busca de mais parcerias pelo país.

> Resultados da cânfora: MP eleitoral pede cassação de Volnei Morastoni por suposto abuso de poder político

Continua depois da publicidade

A pesquisa pretende avaliar se as aplicações por via retal têm algum efeito sobre os pacientes com Covid-19 – por enquanto, não há eficácia comprovada. A técnica, que administra uma mistura de oxigênio e ozônio no corpo por diversas vias, não é consenso na comunidade médica e só tem autorização do Conselho Federal de Medicina para ser aplicada de forma experimental.

Alternativos

O ozônio não foi a primeira aposta da prefeitura de Itajaí em tratamentos alternativos contra a Covid-19. A administração faz distribuição de cânfora, um medicamento homeopático, e da ivermectina, um vermífugo, como medidas de suposta ‘prevenção’. Ambas não têm comprovação de eficácia contra o coronavírus. O município já gastou pelo menos R$ 4,5 milhões para ofertar as duas medicações.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz – NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Destaques do NSC Total