nsc
nsc

Segurança

Operação da PF contra patrimônio financeiro do tráfico internacional faz buscas e prisões em SC

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
04/11/2020 - 08h19 - Atualizada em: 04/11/2020 - 08h47
Apartamento alvo da PF em Balneário Camboriú
Apartamento alvo da PF em Balneário Camboriú (Foto: Reprodução, PF)

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta quarta-feira (4) três mandados de prisão e cinco de busca e apreensão em Santa Catarina, relacionados à Operação Narcobroker, deflagrada no Paraná. O objetivo é desarticular financeiramente um grupo especializado no envio de cocaína para a Europa, usando os portos brasileiros.

 ​> Fantástico mostra que Balneário Camboriú virou paraíso para os barões do tráfico

A quadrilha exportava a droga em cargas de produtos orgânicos. Dentro dos contêineres, eram ocultadas centenas de quilos de cocaína que embarcavam nos navios com destino aos portos europeus.

> "Balneário Camboriú virou uma lavanderia a céu aberto”, diz delegado de repressão às drogas

> Valorização e anonimato: o que leva os chefões do crime a investir em BC

São 39 mandados judiciais ao todo, cumpridos no Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Espanha. Em SC, há alvos em Balneário Camboriú (um mandado de busca e um de prisão preventiva), em Camboriú (um mandado de busca e um de prisão preventiva), Itapema (um mandado de busca e um de prisão temporária), em Urubici e Itajaí, com um mandado de busca em cada uma das cidades. 

> Empresário de Itajaí tentou enviar mais de R$ 200 milhões em cocaína para a Europa

Imagens divulgadas pela PF mostram que pelo menos um dos mandados foi cumprido em um apartamento de alto padrão, em Balneário Camboriú. Com um dos alvos catarinenses foi apreendida uma réplica artesanal de AK-47. A peça de arte custa cerca de R$ 30 mil.

Réplica de Ak-47 apreendida em SC
Réplica de Ak-47 apreendida em SC
(Foto: )

Imóveis e carros de luxo

A estimativa é que os bens sequestrados pela Justiça somem R$ 40 milhões, entre imóveis e veículos de luxo. A casa do chefe da organização, em Curitiba (PR), foi comprada por R$ 6 milhões.

Também foi determinado pela Justiça o bloqueio de contas de 68 pessoas físicas e empresas que eram usadas pelo grupo para as atividads criminosas. As investigações apontam que as movimentações suspeitas somaram cerca de R$ 1 bilhão entre 2018 e 2020.

De acordo com a PF, a quadrilha usava empresas fantasmas e de fachada para viabilizar o tráfico internacional. Três empresas do grupo foram bloqueadas pela Justiça, e passarão a ser administradas pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça (Senad) em parceria com o Conselho Federal de Administração (CFA).

Durante as investigações, que começaram em 2019, a PF apreendeu 240 quilos de cocaína no Porto de Paranaguá.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas