nsc
nsc

embate na CPI

Provocada, cientista Natália Pasternak alerta para “governo autoritário”

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
11/06/2021 - 14h37 - Atualizada em: 11/06/2021 - 15h07
Natália Pasternak depôs como testemunha na CPI da Covid
Natália Pasternak depôs como testemunha na CPI da Covid (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O senador Jorginho Mello (PL) provocou constrangimento na CPI da Covid ao questionar a cientista a respeito de um manifesto de judeus, assinado por ela, que aponta “fortes inclinações nazistas e fascistas” no governo Bolsonaro. A carta, divulgada em maio, tem mais de 200 assinaturas.

CPI da Pandemia: "Não é Bolsonaro o culpado pelo vírus", diz Jorginho Mello

Pasternak disse que, como descendente do holocausto, preocupa-se com tendências autoritárias de governo.

“É um manifesto de judeus que estão preocupados com um governo autoritário. Nós, judeus, já passamos por isso antes. A nossa meta como judeus, e como filhos e netos do holocausto, é nunca esquecer. Para que governos autoritários nunca possam colocar em risco a saúde e a vida de suas populações”.

Natália Pasternak na CPI: cientista disse à NSC que Kit Covid é medicina fantasiosa

Jorginho usou seu tempo na CPI, nesta sexta-feira, para acusar os dois convidados – Natália e o médico sanitarista Cláudio Maierovich, da Fiocruz – de terem “lado” político. 

Mais tarde, o senador comentou no Twitter as respostas dos cientistas, a quem acusou de “discursos mais ideológicos” da CPI. 

Pronampe é ‘bola dentro’ e trunfo político de Jorginho Mello

“O dia dos discursos mais ideológicos. O dia em que a CPI mostrou a sua real cara, se alguém tinha dúvida. Só faltou gritarem ao final Lula Livre".

A publicação teve mais de 1,3 mil comentários em uma hora. Boa parte deles criticou o senador pela postura na CPI.

Jorginho também causou polêmica ao divulgar, em defesa do governo, um vídeo em que o presidente Jair Bolsonaro disse que não compraria vacinas. O senador quis chamar atenção para um trecho da gravação em que Bolsonaro afirma que as vacinas dependeriam de autorização da Anvisa – mas, no mesmo vídeo, o presidente disse que vacinas precisavam de comprovação, “diferente da cloroquina”.

Nas redes sociais, Jorginho Mello foi acusado de dar munição aos opositores do governo.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Só querem Pfizer: recusa de vacinas em Balneário Camboriú acende alerta

Empresas privadas poderão investir em parques e reservas de SC

Prefeito de Bombinhas se licencia do cargo por problema de saúde

Rejeitado, bebê macaco que nasceu em zoo de SC ganha lar temporário; veja fotos

CPI da Covid marca data para ouvir Moisés

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas