A operação desta quinta-feira (8) da Polícia Federal (PF) contra militares e integrantes do núcleo duro do governo Bolsonaro, que incluiu o recolhimento do passaporte do ex-presidente, agora impedido de deixar o país, foi autorizada em um despacho de 135 páginas do ministro Alexandre de Moraes. Na decisão estão detalhadas as condutas investigadas pela PF relacionadas à “tentativa de Golpe de Estado e de Abolição violenta do Estado Democrático de Direito”.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A decisão traz diversas reproduções de conversas entre os militares por aplicativos de mensagem em que é citada a “minuta golpista” apreendida no ano passado. O ministro descreve seis núcleos diferentes de atuação que, segundo a PF, incluem desde a disseminação de desinformação sobre o sistema eleitoral até um núcleo jurídico, que seria responsável por dar um “ar de legalidade” à intentona.

“A Polícia Federal aponta que as investigações demonstraram que o grupo investigado atuava, inclusive, por meio de ”milícias digitais”, para reverberar e amplificar: “por multicanais a ideia de que as eleições presidenciais foram fraudadas, estimulando seus seguidores a “resistirem” na frente de quarteis e instalações das Forças Armadas, no intuito de criar o ambiente propício para uma intervenção federal comandada pelas forças militares, sob o pretexto de aturarem como uma espécie de Poder Moderador”, pontua o ministro no despacho.

Moraes cita diversas vezes os acampamentos em frente a prédios militares, em todo o Brasil, e diz que, segundo as investigações da PF, havia intenção de utilizar as Forças Especiais do Exército para impedir a posse de Lula.

Continua depois da publicidade

“Houve, inclusive, por parte do grupo criminoso, organização de encontro específico na tentativa de arregimentar militares com curso de FORÇAS ESPECIAIS (FE), que, segundo a Polícia Federal, coadunados com os intentos golpistas, dariam suporte às medidas necessárias para tentar impedir a posse do governo eleito e restringir o exercício do Poder Judiciário (…) Tudo isso se desenrolava enquanto se avolumavam as aglomerações em áreas militares, que eram toleradas pelas autoridades castrenses e financiadas por empresários, como registrado pela autoridade policial”.

Sobre a responsabilidade do PL, que levou as investigações a recaírem sobre o presidente do partido, Valdemar Costa Neto, Moraes diz que a contestação formal do resultado das eleições seria o último movimento para sustentar um golpe:

“A Polícia Federal indica, ainda, que a atuação do grupo foi intensificada após o segundo turno das eleições presidenciais, utilizando a metodologia desenvolvida pela milícia digital para reverberar por multicanais a ideia de que as eleições presidenciais foram fraudadas, estimulando seus seguidores a “resistirem” na frente de quarteis e instalações das Forças Armadas, no intuito de criar o ambiente propício para o Golpe de Estado, novamente fazendo circular estudos e investigações de conteúdo inverídico. A Polícia Federal sustenta que a representação peticionada pelo Partido Liberal junto ao Tribunal Superior Eleitoral configuraria o ato último do grupo para insurgir-se formalmente contra o resultado das eleições presidenciais, na busca por antecipar fundamento à execução de um golpe de Estado, inclusive sob a alegação de esgotamento dos meios legais de contestação do resultado, tudo a fim de reforçar o discurso de atuação ilícita do Poder Judiciário para impedir a reeleição do então Presidente JAIR MESSIAS BOLSONARO”.

Veja a decisão na íntegra

Leia também

Como ofensiva sobre Bolsonaro e PL repercutiu em SC

Quem são os presos na operação que mira Bolsonaro e aliados por tentativa de golpe

Destaques do NSC Total