nsc
nsc

Infraestrutura

Com 69 quilômetros de faixas, é possível desafogar a BR-282, aponta estudo da Fiesc

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
24/06/2021 - 12h13 - Atualizada em: 24/06/2021 - 13h04
Parlamentares acomapnham plano de obras para a
Parlamentares e executivos acomapnham plano de obras para a BR-282 (Foto: Fiesc, Divulgação)

Uma das maiores carências da logística catarinense é uma rodovia duplicada para ligar o Leste ao Oeste do Estado. Enquanto essa obra não é possível, uma solução para desafogar a BR-282, especialmente o trecho mais movimentado, entre Palhoça e Lages, é fazer 68,9 quilômetros de faixas. É isso que sugere o projeto BR-282 + Segura e Eficiente, orçado em R$ 192,9 milhões, apresentado nesta quarta-feira pela Federação das Indústrias do Estado (Fiesc) para parlamentares de SC, órgãos públicos e lideranças empresariais.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Além das faixas, o projeto prevê readequações em interseções, melhorias em sarjetas para drenagens e reforço na sinalização. O estudo apontou que a cada dois dias acontece um acidente grave, em parte das vezes com mortes, no trecho até Lages. O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, afirmou que é preciso resolver rapidamente essa questão sob a ótica humanitária e, também, para melhorar a fluidez, a competitividade e a atividade turística no Estado.

O estudo liderado pelo engenheiro Ricardo Saporiti apontou que as melhorias no trecho mais crítico, entre Santo Amaro da Imperatriz e Alfredo Wagner, exigirá investimentos de R$ 46 milhões. Isso já seria suficiente para reduzir o número de acidentes. Depois, a etapa até Lages, necessita de R$ 147 milhões. Nesse trecho da BR-282 não passa a carga pesada dos contêineres do Oeste até os portos. Trafega aí a economia da região e boa parte do fluxo turístico para a Serra Catarinense e o Oeste.

Participaram da reunião os senadores Jorginho Mello, vice-líder do governo no Senado, Dário Berger, presidente da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) do Senado e Esperidião Amin. Também acompanharam a apresentação a coordenadora da Frente Parlamentar Catarinense, deputada Angela Amin, a deputada federal Carmen Zanotto e o deputado estadual João Amin. Como o governo federal cortou verbas previstas para rodovias federais em SC, Jorginho Mello defendeu articulação com o Ministério da Infraestrutura para a liberação de verbas previstas para obras em outros estados, mas que enfrentem algum entrave para serem utilizadas nos projetos específicos.

O evento também teve as participações do diretor superintendente do DNIT em SC, Ronaldo Carioni, o superintendente da Polícia Rodoviária Federal em SC, André Saul do Nascimento e o gerente para Assuntos de Transporte, Logística, Meio Ambiente e Sustentabilidade da Fiesc, Egidio Antonio Martorano.

Ministro promete modelo logístico adequado às cargas de SC

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas