nsc
nsc

Análise

Discursos antidemocráticos de Bolsonaro aprofundam crise econômica

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
08/09/2021 - 07h48 - Atualizada em: 08/09/2021 - 14h25
Presidente Bolsonaro em evento do 7 de setembro, em Brasília
Presidente Bolsonaro em evento do 7 de setembro, em Brasília (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom, Agência Brasil)

Mergulhado em crises, o Brasil terá maiores dificuldades do que o esperado na área econômica após os discursos antidemocráticos do presidente Jair Bolsonaro neste 7 de setembro. O avanço da tensão política vai pressionar ainda mais a cotação do dólar, afastar mais os investidores e dificultar a aprovação de projetos econômicos no Congresso.

> Receba as principais informações de Santa Catarina pelo WhatsApp

Antes desta terça-feira, o mercado já considerava a persistente cotação do dólar acima de R$ 5 um resultado da sucessão de crises políticas criadas pelo presidente Jair Bolsonaro. Com as declarações golpistas que elevaram a pressão por impeachment, essa cotação do dólar tende a se manter elevada ou aumentará ainda mais. Isso resultará em mais altas da inflação, o que eleva juros, reduz crescimento e geração de empregos.

Pregação golpista no 7 de Setembro obriga instituições a agir

Como as tensões políticas causam crise econômica, as expectativas são de que mais empresários posterguem investimentos no país porque têm dúvidas sobre uma retomada sustentada do crescimento. Assim, a tendência é de que um grupo maior de investidores espere a eleição de 2022 para decidir sobre novos projetos.

Rodovias de SC seguem com bloqueios após atos de 7 de setembro; veja

A fala antidemocrática também reduziu a base de apoio do governo no Congresso, o que dificulta a aprovação de pautas econômicas. Isso pode comprometer desde a criação de um novo programa social para substituir o Bolsa Família, programas para pequenas empresas, infraestrutura e a continuidade das reformas.

A combinação desse cenário político difícil com a crise hídrica indica crescimento pífio da economia do país em 2022. Mais uma vez, é um governo colocando dificuldades para o desenvolvimento econômico e social.

Leia também

SC voltará a fazer financiamento para obras

Ferroeste projeta ramal de R$ 6 bilhões para trazer grãos até Chapecó

Acif e Unimed fazem ação conjunta para incentivar inovação na saúde

Crises em áreas de saúde, economia e política afetam alta do PIB do Brasil

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas