nsc
nsc

Diversificação

Exportações de Santa Catarina crescem 50,4% em outubro

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
12/11/2021 - 16h40
Porto de Itapoá movimenta mais produtos do Norte
Porto de Itapoá movimenta mais produtos do Norte do Estado (Foto: Divulgação)

As vendas externas de Santa Catarina alcançaram US$ 936,2 milhões em outubro, com alta de 3% frente ao mês anterior e avanço de 50,4% em relação ao mesmo período de 2020. A maior expansão ante igual mês do ano passado ocorreu em motores elétricos, com acréscimo de 155%. As importações alcançaram US$ 2,107 bilhões, com 7,2% de expansão frente ao mesmo mês do ano anterior.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O maior peso no faturamento obtido no exterior continuou com o setor de proteína animal. As exportações de carne de frango alcançaram no mês US$ 145,8 milhões, o que representa crescimento de 63,63% na comparação dom o mesmo período de 2020. A carne suína somou US$ 109,5 milhões nas vendas externas, com acréscimo de 7,14% na comparação com o mesmo mês de 2020.

A alta superior a 150% na venda de motores elétricos no exterior em outubro chamou a atenção do Observatório Fiesc, da Federação das Indústrias do Estado. Isso avançou apesar de a empresa exportara, a WEG, ter diversas fábricas no exterior. SC responde por 78,6% das exportações brasileiras desse produto de alta tecnologia.

- O crescimento das vendas neste segmento só reforça a qualidade e a inovação da nossa indústria, que tem produtos competitivos de classe mundial – afirmou André Armin Odebrecht, presidente interino da Fiesc.

Mais uma vez, o destino número um das vendas externas catarinenses foram os Estados Unidos. Segundo apuração do Observatório, o mercado americano importou US$ 187,5 milhões de SC. Na sequência veio a China com US$ 121,4 milhões, a Argentina com US$ 51 milhões e o Chile com US$ 44,6 milhões. No ano, as vendas externas do Estado cresceram 23,9%.

Dos mais de US$ 2 bilhões de importações, a liderança foi do cobre refinado vindo do Chile, US$ 131,6 milhões. Na sequência, vieram os ferros planos com US$ 55,4 milhões, semicondutores US$ 53,3 milhões, automóveis US$ 45 milhões e polímeros de etileno US$ 38,8 milhões. O mercado catarinense importa principalmente insumos para indústrias, como metais e polímeros plásticos semiprocessados. As compras externas se acentuaram nos últimos meses em função da alta de preços dessas commodities no mercado interno.

Leia também

Multinacional de SC lança inovação aberta e solicita patente de liga metálica

Empresas sustentáveis vão liderar valor de mercado, prevê especialista de Portugal

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas