nsc
nsc

Aviação

Fabricante de aviões experimentais Wega muda de SC para o Paraguai

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
12/10/2021 - 14h27 - Atualizada em: 12/10/2021 - 14h28
Wega Aircraft
Wega Aircraft (Foto: Reprodução)

A fábrica de aviões Wega Aircraft, de Palhoça, vai migrar para Assunção, no Paraguai. A decisão da empresa de Santa Catarina foi anunciada com pompa nesta segunda-feira (11), em evento em aeroporto militar com as presenças do fundador e sócio da empresa, Jocelito Wildner, autoridades paraguaias e dois aviões Wega 180 sobrevoando o espaço aéreo local. O "voo" da empresa para o país vizinho foi motivado pela falta de incentivos no Brasil e ela será a primeira indústria aeronáutica paraguaia. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A informação da transferência da Wega para o exterior é do industrial Cesar Augusto Olsen, que foi apoiador de Jocelito no negócio e comprou quatro aeronaves. O sócio da empresa foi procurado, mas como está em viagem, não respondeu nossas mensagens ainda.

Presidente do Comitê da Indústria de Defesa da Federação das Indústrias de SC (Comdefesa) e fundador da Olsen Equipamentos Médicos, Cesar Olsen explica que essa mudança acontece em função da alta carga tributária brasileira, excesso de regramento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e falta de apoio das forças armadas do país, que não adquiriram aeronaves locais para instrução inicial de pilotos.

— A Força Aérea do Paraguai está interessada em usar os aviões da Wega para treinamento primário, o que o Brasil poderia estar fazendo, ao invés de importar aeronaves muito mais caras. A aeronave Wega é um exato treinador primário. É um projeto brasileiro que estava quase inviabilizado e foi convidado pelo governo do Paraguai — afirma Cesar Olsen.

Sonho do gaúcho Jocelito Wildner, ex-mecânico da Varig radicado em Florianópolis, a Wega foi fundada em 2006 para fazer os chamados aviões experimentais, de um motor só, utilizados para treino inicial de pilotos e também por pessoas que amam voar por lazer.

A maior projeção da empresa foi em 2013, quando duas aeronaves montadas em SC foram voando até a Flórida, Estados Unidos, para participar da exposição Sun n’Fun, uma das maiores do mundo. Cada aeronave teve dois tripulantes e um deles foi o piloto Jocelito Wildner, que cruzou as Américas em velocidade de 350 quilômetros por hora, em viagem com diversas paradas, que durou sete dias.

Com o modelo eleito melhor da exposição, o empresário retornou otimista para o Brasil. Mas as vendas foram difíceis e, com o dólar alto, hoje é quase impossível o mercado brasileiro pagar o custo final do avião, observa Olsen. Só o motor importado, que sai por cerca de US$ 45 mil, em reais fica em R$ 249 mil. É difícil vender um avião desses por mais de R$ 300 mil.

Leia também

Morre Alfredo Gazzola, liderança da mineração no Sul de Santa Catarina

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas