nsc
nsc

REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA

Plano quer transformar Florianópolis em cidade inteligente até 2030

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
01/08/2020 - 06h00 - Atualizada em: 01/08/2020 - 12h41
Fpolis
Florianópolis. (Foto: Gabriel Lain / NSC Total / Banco de dados)

Reconhecida cada vez mais como cidade referência em tecnologia e inovação por ter um ecossistema jovem e diversificado nesse setor, Florianópolis pode ir muito além com base nesse diferencial. Um dos novos passos é se tornar uma cidade inteligente de fato, dentro dos critérios das smart cities. Para ajudar nesse desafio possível, a Câmara de Tecnologia e Inovação da Fecomércio-SC elaborou um estudo que divulgou quinta-feira, dia 30, denominado Smart Floripa 2030: Transformando Florianópolis numa Cidade Inteligente de Inovação. 

Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

O plano é transformar a cidade até 2030, informa a coordenadora do trabalho, a presidente da câmara da federação, Jamile Sabatine Marques. O estudo, iniciado em 2018, foi feito em parceria pela UFSC, USP, Queensland University of Technology, da Austrália, prefeitura de Florianópolis, Sebrae-SC, governo do Estado, FloripAmanhã e Instituto Lixo Zero.

> Como transformar Florianópolis numa cidade inteligente até 2030

Para Jamile Marques, essa transformação da cidade requer participação decisiva dos empreendedores.

– As empresas podem contribuir utilizando a cidade como um laboratório vivo, testando tecnologias na cidade e a cidade permitindo isso. É um ganha, ganha para empesas, a sociedade e governo – afirma Jamile.

> Rodoviária de Florianópolis será concedida à iniciativa privada em 2021

A presidente da câmara da Fecomércio defende também a participação feminina para trazer um novo olhar à inovação. Para Florianópolis, cidade que enfrenta a maior taxa de desemprego do Estado em função da pandemia, essa é mais uma iniciativa que chega em boa hora.

A caminho para ser smart city

No evento virtual de lançamento do estudo, o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, disse que algumas ações que levam a Capital para uma futura smart city já estão acontecendo. Citou a Escola do Futuro, no sul da Ilha de SC, que oferece, além do currículo previsto, aulas de robótica, tecnologia e inovação. Afirmou que o sistema de transporte da cidade, com o aplicativo Floripa no Ponto usado por mais de 80 mil pessoas e sistemas digitais de monitoramento, foi o único que permitiu implantar protocolos para prevenção à Covid-19. Outro diferencial importante foi a mudança da legislação para que empreendedores possam registrar startup no endereço residencial.

- Quando a gente permitiu que startups pudessem ter endereço na própria residência, a gente evitou que muitas empresas saíssem do município pelo custo de pagar um ambiente comercial para poder registrar a empresa – disse o prefeito.

O presidente da Fecomércio-SC, Bruno Breithaupt, afirmou que a entidade é parceira nesse projeto, para integrar a quadupla hélice da inovação, composta pelas universidades, governos, empresas e a sociedade visando tornar Florianópolis uma cidade inteligente. Para ele, uma das apostas da cidade para ser uma smart city é a renovação do centro histórico, levando para a região empresas de tecnologia.

- Em parceria com a prefeitura, estamos aguardando a possibilidade de abrir museu na Casa de Câmara e Cadeia. Acho que resgatar o Centro Histórico de Florianópolis faz parte dessa movimentação porque a cidade tem muita história, uma riqueza cultural muito grande e é importante recuperar isso – disse Breithaupt, ao observar que o projeto ainda não foi inaugurado em função da pandemia.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas