Com o robô britânico Versius, o Imperial Hospital de Caridade (IHC), que integra o Grupo Baía Sul, em Florianópolis, realizou a primeira cirurgia torácica no Estado e a 4ª no Brasil. O cirurgião Fábio May, especializado em procedimentos no tórax, foi quem realizou a cirurgia robótica para a ressecção de um nódulo pulmonar. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

No mesmo dia, o médico Thiago Leandro Marcos, também cirurgião torácico, realizou a segunda cirurgia nessa área no Estado e a 5ª no Brasil com o Versius. Foi para a retirada de um tumor na região central do tórax. Os dois procedimentos foram realizados dia 28 de abril.

São três equipes de médicos que se desafiaram a fazer as cirurgias robóticas no país. As primeiras foram realizadas no Rio Grande do Sul e São Paulo. Depois, vieram as catarinenses.

O primeiro a operar foi o cirurgião Pedro Nabuco, do Rio Grande do Sul e o segundo, foi Eduardo Pilla, também gaúcho. Depois, veio a médica Maria Tereza, de São Paulo. E, agora, foi a vez dos catarinenses Fábio May e Thiago Marcos.

Continua depois da publicidade

Na opinião de Fábio May, o uso de robô permite uma cirurgia menos invasiva, o que proporciona rápida recuperação dos pacientes. A visualização em 3D, com possibilidade de movimentação das pinças com a ajuda de imagens, tem permitido resultados satisfatórios.

– Acredito que, em poucos anos, a plataforma Versius será utilizada de forma rotineira em nossos hospitais. Estou muito orgulhoso, juntamente com a nossa equipe do Instituto de Cirurgia Avançada do Tórax (ICATOR), de sermos os pioneiros na utilização desta plataforma em cirurgia torácica em Santa Catarina e o 4º médico a realizar o procedimento no Brasil – disse Fábio May.

– Este tipo de robô cirúrgico já está consolidado como uma ótima opção para a realização de cirurgias pouco invasivas. O método escolhido para esse procedimento levou em consideração a localização do tumor, na região central do tórax, entre os pulmões, e próximo ao coração e grandes vasos. Nesta região, a cirurgia robótica é extremamente útil por possibilitar uma excelente visualização em 3D, além dos instrumentos cirúrgicos com grande mobilidade, semelhante à mão humana, permitindo a realização dos procedimentos com grande precisão – explica o cirurgião Thiago Leandro Marcos.

O IHC adquiriu o robô Versius em fevereiro de 2022 e fez as primeiras cirurgias com a nova tecnologia em junho do mesmo ano. De lá para cá, avança com procedimentos mais difíceis.

Leia também

Hoje, 60% dos brasileiros sonham em ter negócio e o Sebrae oferece capacitação

Arrecadação de SC soma R$ 3,9 bilhões em abril e tem crescimento real de 1,2%

Atividade econômica de Santa Catarina cresce 2,5% em janeiro, apura o BC

Destaques do NSC Total