nsc
nsc

Referência internacional

Maçã Fuji de São Joaquim recebe indicação geográfica do INPI

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
03/08/2021 - 17h18
Maçã Fuji de São Joaquim recebe Denominação de Origem do INPI
Maçã Fuji de São Joaquim recebe Denominação de Origem do INPI (Foto: Antonio Carlos Mafalda, Divulgação)

Reconhecida como uma das melhores maçãs do mundo e responsável por ditar preço no mercado brasileiro, a Maçã Fuji da Região de São Joaquim, da Serra de Santa Catarina, recebeu nesta terça-feira o selo de Indicação Geográfica (IG) concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). A certificação foi na categoria Denominação de Origem (DO) e vale para uma área de 4.928 quilômetros quadrados, nos municípios mais altos do Estado: São Joaquim, Bom Jardim da Serra, Urupema, Urubici e Painel.

> Receba as notícias do NSC Total em seu WhatsApp

Considerada “a maçã perfeita” por suas características, a Fuji de São Joaquim e Região se destaca pela cor vermelha, formato grande, sabor e doçura. A pesquisadora da Epagri, Mariuccia Schlichting de Martin, explica que essa região fica acima de 1.100 metros de altitude, o que permite mais ocorrência de 700 horas com temperaturas abaixo de 7,2ºC no inverno.

De acordo com a pesquisadora, maçãs Fuji em temperaturas mais baixas nas semanas que antecedem a colheita têm mais chances de apresentar “pingo de mel”, uma mudança fisiológica que deixa o fruto mais doce. Quem não conhece, fica em dúvida ou pensa que é um defeito da fruta, quando, na verdade, é doçura a mais.

As manchas mais escuras na polpa da maçã são os "pingos de mel", que deixam a fruta mais doce graças ao frio da Serra
As manchas mais escuras na polpa da maçã são os "pingos de mel", que deixam a fruta mais doce graças ao frio da Serra
(Foto: )

Esse reconhecimento das características únicas da fruta foi obtido por meio de uma ação conjunta da Epagri, Sebrae-SC, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Cidasc. A solicitação do selo foi feita pela Associação de Produtores de Maçã e Pera de Santa Catarina (Amap).

- A IG da Maçã Fuji da Região de São Joaquim vem coroar um trabalho histórico da Epagri, que colocou Santa Catarina na posição de maior produtor da fruta no país – afirma a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, ao destacar que a empresa pesquisa pomicultura desde 1970.

Para o secretário de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva, essa indicação geográfica é o reconhecimento da adoção de métodos de produção diferenciados, culturas distintas do Brasil e do mundo, que resulta em fruta com características únicas, de alta qualidade.

Segundo o gerente de Desenvolvimento Regional do Sebrae/SC, Paulo Cesar Sabbatini Rocha, essa IG da maçã Fuji faz parte de nova estratégia de desenvolvimento territorial desenvolvida pelo Sebrae em Santa Catarina, seguindo a metodologia francesa “Cesta de Bens e Serviços Territoriais”. Esse modelo foi trazido ao Brasil pelo Laboratório de Estudos da Multifuncionalidade Agrícola e do Território (Lemate), da UFSC. O objetivo do método é promover de forma conjunta os ativos de uma região, que não podem ser reproduzidos em outro local.

- Essa é a sexta Indicação Geográfica (IG) de Santa Catarina, e conquistas como essas são de atuação prioritária do Sebrae/SC, que em parceria com outras entidades busca a valorização tanto de territórios quanto dos seus produtos únicos e tradicionais, que mobilizam não só a cadeia produtiva em si, mas podem gerar desenvolvimento e integração a outros elos da cadeia – explica Sabbatini Rocha.

Segundo ele, foi com essa metodologia que também foram obtidas as indicações geográficas dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina e do Mel de Melato da Bracatinga do Planalto Sul Brasileiro. SC tem, também, as indicações do INPI para os Vinhos e Espumantes de Uva Goethe dos Vales da Uva Goethe, a Banana da Região de Corupá e o Queijo Artesanal Serrano, no Campos de Cima da Serra. O Sebrae e a Epagri também buscam IG para Ostras de Floripa, Camarão Laguna, Cachaça e Banana de Luiz Alves, Linguiça Blumenau e Alho Roxo do Planalto Catarinense. Esses reconhecimentos permitem agregação de valor a produtos e maior desenvolvimento do turismo regional.

Leia também

Mel da Bracatinga do Sul do país conquista indicação geográfica pelo INPI

Vinhos de altitude de Santa Catarina obtêm selo de Indicação Geográfica

Banana mais doce do Brasil é de Corupá e região, certifica instituto

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas