Nova solução tecnológica para prever eventos climáticos no Brasil pode ser o Programa Constelação Catarina, que consiste em 13 nanossatélites. O projeto, que foi lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação em 2021, está sendo desenvolvido em Florianópolis, no Instituto Senai de Inovação em Sistemas Embarcados e na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

– Sou membro do conselho da Agência Aeroespacial Brasileira. Nós tivemos uma reunião ontem (quarta-feira), na qual eu comentei que a catástrofe no Rio Grande do Sul nos força a fazer um investimento nesse que é o único projeto brasileiro que tem essa finalidade, de lançar uma série de nanossatélites, que vão integrar uma constelação que vai olhar pelo Brasil todo e parte da América do Sul, concentrando informações para quem precisar – afirmou Mario Cezar de Aguiar, presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).  

Esse programa, quando implementado, poderá disponibilizar informações sobre clima e auxiliar a produção agrícola de precisão. Essas foram as atribuições do plano quando aprovado com articulação do deputado Daniel Freitas (PL-SC), que representou a bancada catarinense na Frente Parlamentar Mista do Programa Espacial Brasileiro.

O Instituto Senai de Sistemas Embarcados em Florianópolis integra o Sistema Fiesc. Segundo o presidente da federação, satélites de 600 a 700 quilos estão sendo substituídos por nanossatélite do tamanho de uma caixa de sapato.

Continua depois da publicidade

– Dos 13 nanossatélites que vão integrar a constelação, nós temos dois em construção. O nosso orçamento é de R$ 3,2 milhões. Não é alto. Satélite é um produto complicadíssimo, mas a tecnologia já é dominada pela nossa equipe. O orçamento é de R$ 35 milhões a R$ 40 milhões para fazer toda a rede de satélites para o Brasil. É pouco diante dos benefícios que poderá proporcional ao permitir informações adequadas – informa Aguiar.

Quando lançado, o projeto teve um orçamento previsto de R$ 5 milhões, que seria disponibilizado de emendas de parlamentares catarinenses.  

De acordo com o industrial, o governo brasileiro, com restrição fiscal, está investindo na Agência Aeroespacial Brasileira uma verba anual de R$ 200 milhões. A argentina está investindo R$ 1 bilhão. De 10 grandes países, o Brasil é um dos que menos investem em defesa, observa Aguiar. Para ele, o país precisa dominar também a tecnologia de lançamento de foguetes.

Em 15 de abril de 2023, a Visiona, joint-venture entre a Embraer e a Telebras, lançou nanossatélite desenvolvido com participação do Instituto Senai de Sistemas Embarcados. Esse lançamento foi realizado pela SpaceX, de Elon Musk, nos Estados Unidos, por falta de condições no Brasil.  O primeiro ano de trabalho do satélite (do tamanho de uma caixa de sapatos), no ar, atingiu os objetivos do projeto.

Continua depois da publicidade

Leia também

Como catarinenses podem doar mantimentos e produtos para vítimas das chuvas no RS

Por terra e pelo ar, empresas e entidades de SC ajudam gaúchos atingidos pela enchente

Sul do Brasil planeja unir ações das defesas civis para prevenção e socorro em catástrofes

Granja Faria doa 1 milhão de ovos para atingidos pela enchente no RS

Destaques do NSC Total