A balança comercial de Santa Catarina em fevereiro registrou US$ 820 milhões em exportações, com recuo de 11,8% frente ao mês anterior. As importações chegaram a US$ 2,1 bilhões, 1,65 menos na mesma comparação. Mas um destaque este ano, segundo o Observatório Fiesc foi o crescimento das vendas de bens de capital, itens industrializados de maior valor agregado.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

No primeiro bimestre do ano, as exportações de bens de capital – máquinas e equipamentos para produção industrial – alcançaram receita de US$ 195,1 milhões, 32,4% mais que no mesmo período de 2022. De acordo com análise dos economistas do observatório da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), esse foi o maior montante alcançado desde 1997, quando foi iniciada essa série de dados.

Entre os produtos mais vendidos desse grupo estão motores e transformadores elétricos, máquinas e aparelhos mecânicos. Outros destaques são navios para pesca e caldeiras a vapor. Enquanto os primeiros vão mais para os EUA, os navios são exportados ao Chile e as caldeiras, para outros países da América Latina.  

Vendas de bens de capital são festejadas porque esse grupo de produtos confirma reconhecimento de que SC fabrica itens com mais tecnologia. Segundo o observatório, também comprova que empresas das Américas estão buscando fabricantes mais próximos para fugir dos impactos da guerra na Ucrânia e de instabilidade da oferta dos chineses, problema registrado durante isolamentos frente à Covid.

Continua depois da publicidade

Enquanto isso, as agroindústrias já sentem os efeitos do fim da política Covid Zero do governo chinês, com o aumento das exportações de carnes. No bimestre, as exportações de carne de frango responderam por 19,2% da receita total, e de carne suína,12,6%.

Apesar disso, os Estados Unidos seguiram como maior mercado externo de SC no bimestre, com 15% do total, seguidos pela China com 13,7%, Argentina 7,2%, Chile 6,5%, México 5,3% e Japão, 4,2%. No caso das importações, a China foi o principal fornecedor com 40,1%, seguida pelos EUA com 7,8% e Chile 5,7%.

Insumos como cobre refinado (3,2%), revestimentos de ferros (2,9%) e semicondutores (2,5%) seguiram liderando em valores. Contudo, o Observatório chamou a atenção para a redução desses itens devido à queda da produção industrial de SC enquanto ocorreram ampliações de importações na cadeia automotiva.

Vieram por portos de SC mais automóveis prontos da Alemanha e do México, além de mais pneus da China e Vietnã, acessórios para veículos dos EUA e Coreia do Sul. A importação de alimentos também chamou a atenção na balança bimestral de SC com a compra de mais itens da Europa, em especial azeite de oliva, chocolates e queijos, além de bebidas.

Continua depois da publicidade

Leia também

PIB de SC cresce 3% em 2022, estima equipe econômica do governo

Dígitro Tecnologia cresce 12% com exportações e novos serviços

Abstrato estreia com cinco empresas aceleradas nas áreas de dados e IA

Destaques do NSC Total