nsc
nsc

Competitividade

Tributação do Brasil ajuda importados e sufoca produção nacional, alerta CNI

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
28/05/2021 - 08h47 - Atualizada em: 28/05/2021 - 08h48
Painel debate reforma tributária na Fiesc
Painel debate reforma tributária na Fiesc (Foto: Filipe Scotti, Fiesc, Divulgação)

Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) junto ao IBGE mostra motivos pelos quais a economia brasileira não consegue crescer. De 2006 até 2019 (14 anos), o comércio brasileiro teve crescimento acumulado de vendas de 66% e a produção da indústria de transformação caiu 5,6%. E nos últimos 10 anos, o crescimento médio da economia brasileira ficou nos pífios 0,3% ao ano. A principal causa disso, segundo o gerente de política econômica da CNI, Mário Sérgio Telles, é a alta carga tributária. Outra razão é o fato de o setor público gastar tanto em salários e outros itens que não sobra mais para investir. Por isso a confederação defende reforma tributária ampla.

Taxa de desemprego de SC sobe para 6,2%, mas segue a menor do país

Telles foi um dos palestrantes de painel da Semana da Indústria, nesta quinta-feira (27), no qual também falaram o presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, o diretor de Relações Públicas Governamentais da General Motors do Brasil Adriano Barros e o presidente da holding GBGA, Luiz Gonzaga Coelho.

- O brasileiro consome, mas não é a indústria nacional que vende – alerta o executivo da CNI ao destacar que o sistema tributário brasileiro tira capacidade de competir do Brasil, tanto no mercado interno, quanto no mercado externo.

Altas de preços de commodities minerais assustam a indústria e elevam a inflação

Telles também antecipou estudo inédito da CNI que será divulgado em junho, segundo o qual resíduos da acumulação de impostos no Brasil torna um produto da indústria local 7,4% mais caro do que o importado. Além disso, o país tem um contencioso tributário, ou seja, questionamentos de cobranças de impostos que as empresas consideram injustos, de R$ 5 trilhões. Isso também retira competitividade.

Estudos apontam que uma reforma tributária ampla, que inclui impostos federais municipais e estaduais vai permitir a economia brasileira crescer de 4% a 5% mais, o que resultará em acréscimo de R$ 330 bilhões a R$ 430 bilhões no PIB.

Também palestrante no evento, o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, defendeu a reforma ampla do setor tributário, incluindo impostos estaduais e municipais. Segundo ele, da indústria catarinense deseja reformas e redução da carga tributária. Um dos obstáculos à reforma ampla são as prefeituras, que não aceitam mudanças no ISS, já alertaram técnicos do ministério da economia

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas