nsc
nsc

PREVENÇÃO?

A máscara caiu em SC, mas a luva de plástico segue firme nos restaurantes

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
08/04/2022 - 10h18
Pesquisas demonstram que o coronavírus é transmitido pelo ar muito mais do que pelo toque
Pesquisas demonstram que o coronavírus é transmitido pelo ar muito mais do que pelo toque (Foto: Evandro de Assis)

Se o leitor frequenta restaurantes do tipo bufê, já deve ter notado. Embora recomendada pelas autoridades de saúde para prevenir a Covid-19, a máscara caiu em desuso em Santa Catarina. As luvas de plástico para evitar o contato com os talheres, por outro lado, seguem firmes e fortes. Elas também são recomendadas pela legislação em vigor, mas servem para quase nada, segundo especialistas. É só uma entre tantas contradições da prevenção ao coronavírus no Brasil, mas talvez seja a mais insólita.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp

Há restaurantes que exibem cartazes, e isso desde antes da pandemia, pedindo para que os clientes não conversem diante do bufê. Em outros, os balcões são protegidos com vidros. A preocupação óbvia é evitar que gotas de saliva — e eventuais doenças contagiosas — parem sobre a comida que será degustada por outra pessoa. Contra isso, a Covid-19 trouxe uma solução nova: as máscaras. Que foram deixadas de lado pela maioria.

Pesquisas demonstram que esse coronavírus é transmitido pelo ar muito mais do que pelo toque. Ninguém lava as compras do supermercado hoje em dia porque, afinal, a chance de contrair Covid-19 numa caixinha de leite é mínima. Então por que as luvas de plástico, fabricadas com um material que dificilmente é reciclado, continuam populares nos bufês? Perceba: se alguém na fila usar a luva, os que vêm atrás imediatamente repetem o gesto. Em alguns restaurantes ainda existem placas informando, equivocadamente, ser obrigatório. Na verdade, nem o estabelecimento é obrigado a fornecer.

Para combater o coronavírus no bufê, a máscara é a melhor ferramenta. Luvas de plástico até podem ajudar na higiene. Mas, se for essa a inquietação, lavar as mãos e, na ausência de água, o álcool gel são bem mais eficientes.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Aeroporto reativado em SC tem potencial para concorrer com Navegantes

Dengue em Blumenau avança em ritmo nunca visto na história

Cidades da região de Blumenau preparam manifesto eleitoral inédito

Escolas particulares de Blumenau visitarão as públicas com piores notas no Ideb

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas