nsc
    nsc

    Coronavírus

    Blumenau cristalizou o saxofonista do shopping como símbolo da derrota brasileira

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    29/06/2020 - 08h25
    Blumenau teve tempo para evitar que números da Covid-19 comprovassem expectativa gerada pelo vídeo (Foto: Reprodução)
    Blumenau teve tempo para evitar que números da Covid-19 comprovassem expectativa gerada pelo vídeo (Foto: Reprodução)

    “Em Santa Catarina, os aplausos não são só para quem se recupera da Covid-19. Os clientes que voltavam a um shopping de Blumenau, no começo de abril, também foram recebidos com festa.

    O vírus também ficou à vontade e o número de contaminados, que era de apenas 81 na cidade, sem nenhum óbito, chegou nesta semana a 1.853 casos. Sete pessoas morreram em Blumenau.”

    Assim o veterano repórter Ernesto Paglia beliscou, no Fantástico de domingo (28), uma ferida incômoda para Blumenau. Que talvez nunca cicatrize, a julgar pelas reações raivosas nas redes sociais, seja de quem vê a cobertura midiática como injusta e superficial, seja por quem concorda com a função sintética da cena para descrever nosso comportamento no combate à Covid-19.

    O saxofonista do shopping elevou-se ao plano do simbólico. Funciona como ícone dos tempos contraditórios que vive o Brasil.

    Pouco adianta argumentar que a aglomeração no Neumarkt Shopping foi momentânea. Que o vídeo mostra dezenas de pessoas usando máscaras. Que é exagero relacionar a disparada da Covid-19 em Blumenau com um episódio isolado. Apesar de tudo isso ser verdade.

    Blumenau teve tempo para provar aos brasileiros (e aos leitores do New York Times e do Daily Mail) que estavam errados. Passados dois meses e meio, os números comprovam o que a cena sugeria. Temos quase mil doentes em tratamento, o triplo de 30 dias atrás. Nove famílias blumenauenses perderam queridos.

    O governo municipal confia nos leitos de UTI como anteparo do desastre. Vieram 20 novos respiradores, há capacidade para atender quase o dobro da demanda atual. Morrerão mais pessoas, mas seriam o preço a pagar para que a economia funcione até surgir vacina.

    Estamos presos à ideia de que só precisamos achatar a curva. Mesma política que levou São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul a um abre-fecha sem fim. Na outra direção, países asiáticos e europeus que suprimiram o vírus para depois vigiar e conter novos casos já colhem os frutos de dar ouvidos à ciência e à Organização Mundial de Saúde (OMS).

    Blumenau forneceu fatos e dados que cristalizam o saxofonista do shopping como símbolo da derrota nacional para o novo coronavírus. Era um dano reversível. Não é mais.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas