A disputa entre duas empresas pelo contrato de instalação e operação de radares eletrônicos em Blumenau reduziu o preço a ser pago pela prefeitura. O pregão desta terça-feira (18) teve sete lances, diminuindo o valor inicial de quase R$ 8,5 milhões por ano para R$ 8 milhões. A menor proposta é da Focalle Engenharia Viária, de Florianópolis. Agora o processo passa à fase de habilitação.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp

O edital prevê equipamentos para fiscalizar a obediência aos semáforos e à velocidade máxima de ruas municipais. Haverá sensores de sinal, radares fixos e lombadas eletrônicas. Os aparelhos terão sensores de placas e videomonitoramento, que enviarão as informações para o sistema da Central de Controle Operacional (CCO) da Secretaria de Trânsito e Transportes. O contrato será de 12 meses, podendo ser prorrogado até 60 meses.

A lista de ruas e o número de faixas de trânsito a serem fiscalizados obedece ao estudo contratado pela prefeitura, em atenção a regra imposta pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). No total, 41 faixas de trânsito terão fiscalização de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestres. Outras 38, além do sinal e da faixa, vão fiscalizar também a velocidade. Mais 69 faixas serão monitoradas por radares fixos ou lombadas eletrônicas.

Terminado o pregão, serão analisados os documentos de habilitação da empresa que apresentou a melhor proposta. Antes da assinatura do contrato, ainda haverá uma prova de capacidade técnica. E os prazos para recursos da segunda colocada na proposta financeira, a paulista Newtesc.

Continua depois da publicidade

Blumenau está sem

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto do Whatsapp

Leia também

Por que o assassino da creche em Blumenau não foi investigado por esfaquear o padrasto

Comportamento da população de Blumenau surpreende empresa de patinetes elétricos

Pais de vítimas do ataque a creche em Blumenau serão recebidos em Brasília

Câmara destina verba, mas Blumenau descarta portas giratórias em escolas e creches

Destaques do NSC Total