nsc
nsc

Opinião

Duplicação da BR-470 deixa a vida dos pedestres para depois

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
18/11/2021 - 09h04
Três pessoas morreram atropeladas no dia 8 de novembro, em Gaspar
Três pessoas morreram atropeladas no dia 8 de novembro, em Gaspar (Foto: PRF, Divulgação)

A duplicação da BR-470, sob responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), deixou a vida dos pedestres para depois. À medida em que a obra avança, o alívio para motoristas e motociclistas é proporcional ao medo gerado nas comunidades às margens da rodovia federal. Tudo porque as passarelas de pedestres ficaram de fora do projeto contratado há oito anos.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

É a repetição de uma história bem conhecida no Litoral Norte. Moradores de cidades cortadas pela BR-101 conviveram por anos com uma autoestrada de pistas duplicadas, sem acessos para conectar bairros populosos separados por asfalto.

Quem não se lembra das passagens improvisadas no concreto da mureta central e das mortes frequentes ocasionadas por atropelamentos? O problema só foi amenizado quando finalmente instalaram as passarelas e as grades que desestimulam pedestres imprudentes.

A tragédia de Gaspar, em que três pessoas morreram tentando atravessar a BR-470 em obras para ir ao mercado, há 10 dias, é prenúncio de uma série. Até agora, os quilômetros duplicados estão localizados, na maioria, em trechos pouco urbanizados, em que a faixa de domínio da rodovia federal está livre de casas, comércios e escolas. Mas imagine quando a duplicação chegar ao Badenfurt, onde estudantes e professores do Instituto Federal Catarinense (IFC) arriscam-se diariamente para cruzar a BR-470 até a parada de ônibus.

O "estudo" anunciado pelo DNIT para uma passarela na Margem Esquerda, em Gaspar, é insuficiente porque circunscreve o risco àquela vizinhança. Já se vão seis anos desde que os moradores da localidade começaram a reivindicar uma travessia segura. Quantas vidas os atropelamentos levarão se cada comunidade tiver de enfrentar essa via crúcis?

Milhões de reais foram gastos em estudos de impacto ambiental e social antes do início da duplicação da BR-470. Eles preveem locais para a instalação de passarelas — não só para pedestres, mas também para a fauna existente. Túneis, galerias e passa-faunas estão contemplados no projeto em execução. Passarelas, não. 

A vida humana, neste caso, ficou em segundo plano.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Frota de motorhomes dispara nas maiores cidades de Santa Catarina

Contrato da Via Expressa de Blumenau não inclui 15 viadutos até a Vila Itoupava

Sensor conta quantas bicicletas passam por rua de Blumenau e resultado surpreende

Máquinas retornam à principal rua da Itoupavazinha, em Blumenau

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas