nsc
nsc

Opinião

Pressa para dispensar máscaras contra a Covid-19 é dos políticos, e não da saúde

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
06/10/2021 - 08h54 - Atualizada em: 06/10/2021 - 17h33
Santa Catarina avalia desobrigar o uso de máscaras em ambientes externos em outubro
Santa Catarina avalia desobrigar o uso de máscaras em ambientes externos em outubro (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Santa)

Há injustificável pressa entre agentes políticos no Brasil para eliminar a obrigatoriedade do uso de máscaras contra a Covid-19. Desde o início de setembro o presidente Jair Bolsonaro fala no assunto. A secretaria de Saúde de Santa Catarina e as prefeituras de São Paulo e Rio de Janeiro já avisaram à população que estudam flexibilizar regras nas próximas semanas, principalmente em áreas externas. No município de Duque de Caxias (RJ), o prefeito antecipou-se e aboliu a proteção até em ambientes fechados. Ansiedade que atende mais às necessidades da política do que da saúde.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Atire a primeira pedra quem não estiver louco de vontade de livrar-se das máscaras. Além do incômodo, especialmente em dias de calor, há algo de simbólico no gesto. Os rostos descobertos significariam, na prática, o fim da maior pandemia em um século. Isso explica o comportamento oportunista de políticos. Eles querem ser a voz da bonança, mesmo que antes da hora.

Uma pandemia, aprendemos da forma mais dolorida possível, não é um problema local. Variantes detectadas do outro lado do mundo espalharam-se entre os catarinenses em questão de semanas. Ou seja, mesmo uma cidade com altos índices de vacinação e números baixos de contágio, neste momento, ainda precisa manter a atenção para garantir que o esforço global contra o Sars-Cov-2 funcione.

Anúncios precipitados, além de tudo, atrapalham. Dão a sensação de que acabou, de que é possível relaxar nos cuidados. Basta observar o que acontece nas ruas e locais de trabalho. Há cada vez menos rostos cobertos circulando.

Em maio deste ano, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez um pronunciamento fora de hora comunicando que máscaras não seriam mais obrigatórias e mesmo o distanciamento poderia ser abandonado. Passou vergonha. Poucas semanas depois, prefeitos e governadores norte-americanos tiveram de voltar atrás na recomendação devido à variante Delta e aos baixos índices de vacinação — hospitais voltaram a encher de doentes nos estados onde o negacionismo predomina.

Para assegurar que não haverá retrocessos futuros, convém a Santa Catarina dar um passo de cada vez. É necessário vacinar o maior número possível de pessoas e abafar o contágio para perto de zero antes de sinalizar à população que a guerra está vencida. Porque essa vitória, quando vier, será coletiva. E não de um governante.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Adolescentes de Blumenau aderem em massa à vacinação contra a Covid-19

Por que Blumenau tem mais de 50 mil vacinas contra a Covid-19 estocadas

Eleições 2022 projetam páreo duro para candidatos de Blumenau

A cada cinco dias, um veículo da prefeitura de Blumenau é multado no trânsito

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas