nsc
nsc

Opinião

Um viaduto meia-boca em Navegantes pode travar a BR-101

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
23/05/2022 - 11h32
Pilares do viaduto da BR-470 começaram a ser construídos nas madrugadas da última semana
Pilares do viaduto da BR-470 começaram a ser construídos nas madrugadas da última semana (Foto: DNIT, Divulgação)

Merecem atenção as conversas, ainda restritas aos ofícios trocados pela Arteris com órgãos públicos federais, sobre o futuro da BR-101 após a conclusão do novo viaduto da BR-470, em Navegantes. Muito mais do que marginais e pontes, o que está em jogo é se o trânsito vai andar ou não num ponto vital para o desenvolvimento de Santa Catarina. Se a opção das autoridades for por um viaduto meia-boca, as duas rodovias podem travar.

​> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

O viaduto projetado na duplicação da BR-470, que começou a ser erguido nas madrugadas da última semana pelo DNIT, prevê acessos simplificados, mera atualização do que existe hoje. Significa dizer que as pistas da BR-101 continuariam trancando, nos horários de pico, por veículos saindo e entrando na rodovia do Vale do Itajaí. O risco de “colapso” daquele ponto é iminente, avisou a concessionária Arteris.

O plano da empresa, que está sob avaliação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), é construir vias marginais para servirem de acesso à BR-470. Só que logo ao lado fica a calha do Rio Itajaí-Açu, obstáculo que exige a construção de, no mínimo, uma ponte, como a coluna revelou no domingo (22). A Arteris está propondo uma travessia marginal nova no sentido Curitiba. A saída para a BR-470 seria ainda em Itajaí, antes da ponte.

No sentido Florianópolis, o plano é usar o acostamento da atual ponte como faixa de entrelaçamento, para que os veículos de saída da BR-470 não entrem direto nas faixas centrais. Funcionaria assim até que fosse possível erguer uma quarta ponte. Não é o ideal.

Obras desse porte custam altos volumes de dinheiro, via impostos ou pedágio. Mas deixar de executá-las também custa. Tempo, combustível, investimentos privados desestimulados e arrecadação frustrada. Sem contar a perda de qualidade de vida e o prejuízo ao turismo no encontro rodoviário que dá acesso ao segundo maior aeroporto catarinense, o de Navegantes, e aos principais balneários do Estado fora da Ilha.

A duplicação da BR-470 teve a ordem de serviço assinada em 2013. A discussão começou tarde demais. Ignorá-la e fazer as coisas de qualquer jeito, porém, condenaria Santa Catarina ao atraso.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Arteris propõe nova ponte sobre o Rio Itajaí-Açu na BR-101

Nem a estátua de Fritz Müller, em Blumenau, está livre dos ladrões de metal

Rodoviária de Blumenau será avaliada por consultoria privada antes da concessão

Com aval da Câmara de Blumenau, nova seleção de diretores de escolas será em 2022

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas