A democracia brasileira está em frangalhos, se arrastando pelos cantos e respirando por aparelhos. Uma democracia saudável pressupõe a harmonia e o respeito mútuo e recíproco entre os poderes, cada um cumprindo seus deveres e responsabilidades que constam na carta magna do país, a constituição federal. Não é bem o que temos visto por aí, senão vejamos.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

No Congresso Nacional, os legítimos representantes eleitos pelo povo, com algumas poucas exceções, a tudo assistem com cara de paisagem, num “dolce far niente” irresponsável diante de todo o imbróglio que está acontecendo no país, que conta com a inerte participação de boa parte de deputados e senadores. Pairam na gaveta do presidente do Senado, nada menos que 62 pedidos de impeachment contra integrantes da suprema corte, que o mesmo não faz andar um sequer. Já está na história como o mais covarde dos presidentes daquela casa, desde que me entendo por eleitor.

Sobe para três número de mortes pelas fortes chuvas em SC

O Executivo que vem sendo atacado diuturnamente desde que assumiu a responsabilidade de comandar a nação brasileira, rumo aos avanços necessários, numa trava de contrários que somam parte do judiciário, a começar pelo STF, com o apoio de parte da imprensa. Apesar de toda essa força contrária e enfrentando uma crise mundial provocada pela pandemia da Covid e da guerra na Ucrânia, conseguimos avanços importantes que, temo, corremos o risco de retroceder com o novo governo, a considerar as informações que nos chegam.

Continua depois da publicidade

O terceiro poder, esse sim, pairando absoluto e em total dissonância com os outros dois poderes, numa tirania que usa toga para criar leis e agir em contínuos flagrantes desrespeitos para com a Constituição. Do alto de falas e manifestações polidas, com belas e selecionadas palavras e textos, buscam esconder atos e decisões que afrontam aos brasileiros de bem e que têm o mínimo de esclarecimentos.

Professor de Itajaí é indicado ao Prêmio Jabuti pela 1ª vez e celebra amor à literatura

No pior comando de um processo eleitoral de nossa história, o atual presidente do TSE, com respaldo dos colegas togados, põe em prática todo desmonte do contraditório no que diz respeito à lisura das eleições, com indícios de vulnerabilidade. Quisera olhar nos olhos e ver a expressão daqueles que bradaram acerca da lisura e segurança do processo eleitoral, cuja prática tem comprovado uma lambança que não será apagada da história do país.

Leia outras colunas de Natalino Uggioni

Quem deveria zelar e ser referência para todos, atua de maneira a contrariar os interesses da nação, rasgando sequencialmente a Constituição Federal, criando as próprias leis e regras, que resultam em insegurança jurídica ao país. Estamos vivendo no Brasil a exceção ao estado de direito e quem a pratica afirma e acredita piamente que tal exceção protege a democracia.

Leia também:

Preocupado em preservar vidas, diz prefeito de Florianópolis diante de caos causado por chuva

Continua depois da publicidade

Oito municípios de SC estão em situação de emergência, diz Defesa Civil

Homem morre eletrocutado ao tentar atravessar área alagada em Palhoça

Destaques do NSC Total