A saída temporária, a popular “saidinha”, é um benefício decorrente da benevolência das leis brasileiras, na linha de que os presos seriam vítimas da sociedade. Beneficia o preso que cumpre pena em regime semiaberto, que até a data da saída tenha cumprido um sexto da pena total, se for primário, ou um quarto se for reincidente e precisa ter boa conduta carcerária, pois o juiz, antes de concedê-la, consulta os diretores do presídio.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Na prática, a medida tem se mostrado uma tragédia anunciada, que se repete a cada novas saidinhas. Os criminosos saem da cadeia e já estão armados e praticando crimes: assaltos, roubos e até matam pessoas inocentes. Na última saidinha de 2023, no Natal, segundo reportagem da Folha de São Paulo, o levantamento feito em 18 unidades da federação aponta que 4,8% (2.741) dos 56.924 beneficiados com a medida, não retornaram para a prisão. Desses, no Rio de Janeiro, 14% não retornaram. E 153 do total dos que não regressaram, haviam sido recapturados.

Tais números apontam para a urgente e necessária revisão da medida, que já passou na Câmara dos Deputados, com maior rigor para a concessão. Se mantida, deve ser concedida apenas àqueles com maior probabilidade de retornarem, reduzindo de sobremaneira o número de beneficiados.

Leia outras colunas de Natalino Uggioni

Continua depois da publicidade

Segundo Roberto Motta, “uma pesquisa científica sobre criminalidade aponta que 10% dos criminosos são responsáveis por 66% dos crimes; não precisa prender milhões. Basta prender os 10% de criminosos de alta produtividade (no crime) que a vida volta ao normal”.

E finaliza questionando: “Cadê o projeto que acaba com as saidinhas senado?”. A resposta é: está dormindo em berço esplêndido, na gaveta do presidente da Casa.

Leia também

“Explosão” de casos de dengue nas primeiras semanas de 2024 acende alerta em SC

Governo do Estado discute ações em relação a pessoas em situação de rua em SC

Saiba as cidades de SC que vão receber as primeiras doses da vacina contra a dengue

Famosa bala de Florianópolis ganha versão em picolé

Destaques do NSC Total