nsc
    nsc

    Pandemia

    Em carta aberta a empresários, prefeitura de Blumenau justifica medidas restritivas na economia

    Compartilhe

    Pedro
    Por Pedro Machado
    24/07/2020 - 10h42
    Comércio de rua
    Comércio de rua foi um dos setores afetados pelas novas medidas (Foto: Patrick Rodrigues)

    Alvo de pesadas críticas no meio empresarial da cidade, que alega ter sido pego de surpresa pelas medidas restritivas que fecharam novamente comércio, bares, restaurantes, shoppings e academias, entre outras atividades, a prefeitura de Blumenau reagiu. No que internamente está sendo chamado de “direito de resposta”, o município divulgou nesta sexta-feira (24) uma carta aberta endereçada aos empresários.

    > Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

    No documento, prefeitura e Secretaria de Promoção da Saúde alegam que as novas medidas foram tomadas com base em critérios técnicos, atendendo a apelos de especialistas e da direção de hospitais.

    O município também diz que desde março tem mantido diálogo com as entidades empresariais e que elas “sempre foram ouvidas e informadas sobre a evolução da doença e as ações adotadas no sentido de reduzir os efeitos negativos da pandemia nas mais diversas frentes de atuação”.

    As restrições anunciadas no início desta semana reacenderam o debate entre saúde e economia em meio à pandemia. A reação da classe empresarial, que diz não ter sido avisada com antecedência das ações, nem consultada sobre elas, expõe conflito na comunicação da prefeitura com o setor produtivo.

    Confira abaixo a íntegra da carta:

    CARTA ABERTA AOS EMPRESÁRIOS

    Diante de manifestações da classe empresarial acerca das novas medidas adotadas pela Prefeitura de Blumenau para conter o avanço do Coronavírus na cidade, o Município esclarece que a decisão foi tomada com base nos critérios técnicos apresentados pela Secretaria de Promoção da Saúde, bem como nas orientações de diversas entidades ligadas ao setor de saúde. Entre as instituições que fizeram apelos e recomendaram a adoção de medidas mais restritivas estão a Comissão Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus, os três hospitais da cidade (Santa Isabel, Santo Antônio e Santa Catarina); a Furb; a Comissão de Intergestores Regional – CIR Médio Vale do Itajaí. Além disso, a Divisão de Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde, o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Santa Catarina (Cosems-SC) e o Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES), fizeram recomendação idêntica ao Governo do Estado.

    Desde o início da pandemia, o município vem trabalhando em estratégias de prevenção, amplamente divulgadas, aliadas à mitigação dos impactos econômicos. Contudo, neste momento em que nos deparamos com índices extremamente graves de transmissão da Covid-19 e ocupação de leitos de internação hospitalar, especialmente os leitos de UTI, que chegaram a 100%, a prioridade da administração municipal é garantir o atendimento para preservar vidas.

    Desde março, quando a Prefeitura de Blumenau tomou as primeiras medidas de combate ao Coronavírus, o Prefeito Mário Hildebrandt tem mantido um diálogo permanente com os empresários, representados pelo G6 (formado por Acib, Ampe, CDL, OAB Blumenau, Intersindical Patronal e Codeic). As entidades sempre foram ouvidas e informadas sobre a evolução da doença e as ações adotadas no sentido de reduzir os efeitos negativos da pandemia nas mais diversas frentes de atuação.

    Em todas as ocasiões o Prefeito Mário Hildebrandt sempre deixou claro que buscaria o equilíbrio entre as ações de combate à pandemia e a retomada da economia, mas sempre priorizando a vida.

    Porém, agora, enfrentamos a fase mais crítica da pandemia em Blumenau, na região do Médio Vale do Itajaí e no Estado, e diante disso foi preciso tomar medidas mais duras para conter a curva e a velocidade do contágio visando evitar o colapso na capacidade dos hospitais de atendimento dos pacientes com Coronavírus. Numa primeira fase de ações, os leitos de UTI foram ampliados de 43 para 63. Além disso, numa estratégia de ampliação da capacidade de internação nas unidades de terapia intensiva, estão sendo implantados mais 31 leitos. Ressalte-se aqui a cooperação de todos os hospitais da nossa cidade: Santo Antônio, Santa Isabel, Santa Catarina e Misericórdia.

    Neste momento, a situação exige responsabilidade, agilidade e pronta resposta, com dados técnicos embasando as decisões, o que limita o espaço do diálogo pela gravidade do quadro a ser enfrentado e que não permitiu ao prefeito outra alternativa que não seja a ampliação imediata de medidas de restrição visando a proteção da vida. Isso sempre foi deixado claro em todas as reuniões realizadas com os representantes das classes empresariais.

    Ofícios técnicos pediram medidas restritivas

    Nos últimos dez dias, o número de óbitos por Covid-19 em Blumenau praticamente dobrou, e a ocupação dos leitos de UTI chegou a 100%, Outros sete leitos “de guerra” foram abertos e também estão ocupados.

    A situação também se agravou em função do aumento diário de novos casos na cidade, que infelizmente bateu recordes nos últimos dias, e os índices crescentes dos municípios vizinhos, que também impactam a ocupação de leitos da rede hospitalar de Blumenau. É importante lembrar que os leitos de UTI dos hospitais de Blumenau são regulados pela secretaria de estado da saúde, o que significa que o município é obrigado a receber pacientes dos municípios do Médio Vale do Itajaí e de outras regiões de Santa Catarina, o que torna a nossa situação ainda mais crítica.

    Soma-se a isso a possibilidade de falta de insumos e de profissionais tecnicamente qualificados para trabalhar em UTIs, tendo em vista a saturação das redes de saúde, que tem ocorrido em todo o estado, além da contaminação e afastamento de muitos profissionais de saúde envolvidos diretamente no combate à pandemia, seja na rede municipal de saúde, seja nos hospitais.

    Diante de tudo isso, reafirmamos que a tomada de decisão do município foi no sentido de preservar vidas, restringindo atividades para reduzir a circulação de pessoas por um prazo que esperamos ser o menor possível. E a expectativa é que a população entenda a gravidade da situação e abrace as medidas de prevenção, especialmente as de afastamento social, para que tenhamos a redução do percentual de ocupação dos leitos hospitalares e a diminuição do número de casos diários. Com isso, esperamos que seja possível revisar e flexibilizar as medidas restritivas em vigor no menor prazo.

    Secretaria Municipal de Promoção da Saúde

    Prefeitura Municipal de Blumenau

    Quer receber notícias e análises de economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região no seu celular? Acesse o canal do blog no Telegram pelo link https://t.me/BlogPedroMachado ou procure por "Pedro Machado | NSC" dentro do aplicativo.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas