A Reunidas, tradicional empresa catarinense de transporte rodoviário de passageiros e cargas com sede em Caçador, vai pedir à Justiça o fim da recuperação judicial, que teve início há quase sete anos. A informação é do presidente Lycurgo Coelho de Souza, em entrevista exclusiva concedida à coluna nesta terça-feira (14). O pleito deve ser apresentado nas próximas semanas, após o Carnaval. A expectativa do executivo é de que o processo seja concluído ainda ao longo de 2023.

Continua depois da publicidade

O encerramento da recuperação judicial, caso haja aval do Judiciário, selaria uma etapa de reestruturação do negócio. Em maio de 2016, três das cinco empresas que formam o Grupo Reunidas recorreram ao expediente para negociar dívidas que beiravam, na época, R$ 80 milhões. Em dezembro daquele ano, o plano de recuperação foi aprovado por credores e homologado.

Desde então, imóveis da Reunidas foram leiloados e a empresa aderiu a programas de refinanciamento de tributos. A maior parte da dívida sujeita à recuperação judicial já foi paga, diz Souza. Dos R$ 80 milhões, sobraram cerca de R$ 13 milhões que correspondem aos maiores credores – entre bancos e empresas. O presidente diz ainda que há valores de bens já alienados que estão retidos no processo, sugerindo capacidade financeira para honrar com o saldo restante.

A operação já não é tão grande como antigamente. O quadro de funcionários foi enxugado nesse período – de 1,7 mil colaboradores passou para 1,5 mil – e algumas linhas foram vendidas. A pandemia de coronavírus, que Souza classifica como “um caos”, afetou fortemente o negócio com a suspensão de viagens. Embora outros fatores tenham impactado a operação – alta no preço do combustível, fechamento de rodovias e chuvas –, a empresa diversificou a atuação com o serviço de fretamento para empresas.

— Hoje temos uma empresa menor do que quando entramos na recuperação judicial. Ela é menor, mas bem mais sólida — alega o executivo.

Continua depois da publicidade

Investimentos

Para Souza, não há, em Santa Catarina, empresa do ramo que esteja de vento em popa. Mas apesar de a receita e o número de passageiros ainda estarem abaixo do patamar pré-pandemia, ele diz já ver melhoras no mercado, impulsionadas pela retomada do turismo – as principais linhas operadas pela empresa partem do Oeste catarinense e parte do Paraná rumo ao Litoral, especialmente Balneário Camboriú e Florianópolis.

— A partir de março de 2022 começou a melhorar e no segundo semestre começamos a caminhar para uma recuperação. O ano de 2023 já começou mais próximo da normalidade — considera.

A expectativa por um cenário mais animador faz o executivo projetar uma operação novamente lucrativa e um faturamento entre R$ 310 milhões e R$ 320 milhões em 2023. A nova fase também é marcada por investimentos. O plano da Reunidas é renovar, no curto e médio prazos, cerca de 40% da frota de 400 veículos, entre ônibus e caminhões. Este processo começou em 2022 e deve se intensificar em 2023. Para isso, o aporte anual deve girar na casa dos R$ 40 milhões.

A empresa também deve lançar em breve uma plataforma para venda de passagens rodoviárias pelo WhatsApp. Segundo Souza, 20% dos bilhetes já são comprados hoje pela internet e mostrados ao motorista pela tela do celular no momento do embarque.

Continua depois da publicidade

— Temos uma história de 70 e poucos anos em Santa Catarina. Em qualquer lugar que você vai, a Reunidas é conhecida. Queremos voltar a crescer, disputar mercado — projeta Souza.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Executivo de SC vai liderar divisão de negócio da multinacional japonesa Nidec

Blumenau vive boom de novos microempreendedores individuais

Altona é sondada por investidor interessado em terreno da empresa

Rede nacional de hamburguerias planeja abrir cinco restaurantes em SC

Destaques do NSC Total