nsc
nsc

Aquecimento global

Quantidade de CO2 na atmosfera é a maior desde a Revolução Industrial

Compartilhe

Puchalski
Por Puchalski
17/03/2021 - 10h28 - Atualizada em: 17/03/2021 - 11h16
Usina de gás carbônico
Aumento da quantidade de CO2 no mundo é estudado no Reino Unido (Foto: Pixabay)

O Serviço Nacional de Meteorologia do Reino Unido informou nesta semana que tivemos nesse ano alguns dias tendo 50% a mais de gás carbónico (CO2) do que tivemos na revolução industrial no mundo todo.

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

O QUE É O EFEITO ESTUFA E PARA QUE SERVE?

Antes de se aprofundar nesse assunto quero lembrá-los que só existe vida na Terra da maneira que conhecemos, graças ao efeito estufa. Ele é uma composição de gases que regulam tanto a entrada de energia vinda do sol quanto a saída dessa energia que é excedente. Portanto, efeito estufa é a proteção natural do nosso planeta.

Entre os gases que compõe essa proteção temos o CO2 (gás carbónico ou dióxido de carbono). O que ocorre é que desde que tivemos a revolução industrial a queima de combustível fóssil vem despejando na atmosfera uma quantidade cada vez mais desse gás. 

> Saiba como se proteger contra raios em dias de tempestade

Resumindo, o homem com essa sua matríz energética vem contribuindo muito para que um dos gases do efeito estufa esteja cada vez mais presente. Qual a consequência? A maior concentração de CO2 faz com que a atmosfera esteja retendo mais calor do que precisa, não libera para o espaço o excesso de energia. Um dos fatores que vem colaborando imensamente para que a cada ano/mês que passa, a temperatura do planeta aumente. O falado aquecimento global que traz como consequência as mudanças climáticas. 

O AUMENTO DE CO2 ESTÁ SENDO CADA VEZ MAIS RÁPIDO

Voltando para o assunto, para que você entenda melhor o quanto é impactante esse aumento de 50% de CO2 na atmosfera em relação a revolusão industrial, trago o que falou o Professor Richard Betts, Chefe de Pesquisa de Impactos Climáticos do Serviço de Meteorologia do Reino Unido (Met Office):

— Os humanos começaram a queimar combustíveis fósseis em grande escala no final do século XVIII e levou cerca de 200 anos para a atmosfera ver um aumento de 25% na concentração atmosférica de dióxido de carbono, mas apenas mais 35 anos para alcançar o lamentável marco deste ano de um aumento de 50 por cento — afirma o professor.

> Ciclone, vendaval, tempestade, tornado e tufão: entenda a diferença

Lembro que a quantidade de CO2 é medida em parte do milhão. Neste ano tivemos pela primeira vez na história a marca de 417 partes por milhão na atmosfera. Essa quantidade representa um aumento de 50% desde a revolução industrial que foi o ponta pé inicial para e emissão dos gases do efeito estufa por parte dos humanos. A expectativa é que essa quantidade toda fique por uns três meses. 

O gráfico abaixo mostra bem como o aumento só do CO2 tem sido exponecial desde 1760

Gráfico mostra o aumento de CO2 na atmosfera ao longo dos anos
Gráfico mostra o aumento de CO2 na atmosfera ao longo dos anos
(Foto: )

QUAL SERIA A SOLUÇÃO?

Pequenas atitudes no nosso dia a dia já poderia ajudar muito. Claro, se todos fizessem a sua parte. Acordos entre os países para mudarem a matriz energética por outra que libere menos CO2 é essencial. Porque você tem que lembrar: aumenta a temperatura, aumenta os eventos extremos do tempo. Vamos desde mais secas a maiores enchentes. Vamos desde mais fortes ondas de frio a maiores ondas de calor.

Você ai faz o que para diminuir o aquecimento global?

Leia também

> Animação mostra a evolução por Estado dos casos de coronavírus em 1 ano de pandemia; veja vídeo

> Florianópolis volta atrás e permite permanência em praias até as 18h

> Aulas presenciais serão retomadas em São José após decisão da Justiça

Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Mais colunistas

    Mais colunistas