nsc
nsc

Solução estrangeira

Cidade de SC vai contratar médicos cubanos

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
05/08/2022 - 06h27 - Atualizada em: 05/08/2022 - 08h28
Saúde de Santa Catarina enfrenta falta de médicos
Saúde de Santa Catarina enfrenta falta de médicos (Foto: Mauricio Vieira, Secom SC)

A prefeitura de Criciúma contará a partir da próxima semana com quatro médicos cubanos. A Câmara de Vereadores aprovou projeto de lei encaminhado pelo prefeito Clésio Salvaro para que permitisse a contratação dos cubanos com registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) e com o exame revalida.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Atualmente, segundo o secretário da Saúde, Arleu da Silveira, não há médicos cubanos trabalhando na cidade, mas existem 16 interessados da ilha caribenha para trabalhar no município. Alceu informa, também, que profissionais da Argentina e Bolívia já procuraram a secretaria em busca de informações. O salário oferecido é de R$ 18 mil com mais R$ 2 mil de produtividade.

SUS

A fila de espera por consultas médicas e exames não é novidade na imensa maioria das cidades brasileiras e Santa Catarina não foge dessa realidade do SUS. Na última semana, o Bom Dia Santa Catarina da NSC TV mostrou ao vivo senhores, senhoras, crianças e gestantes madrugando em frente aos postos de saúde de Joinville e Florianópolis. Uma verdadeira vergonha, um deboche e um desrespeito com a população pobre que sofre em busca de atendimento.

A constituição brasileira de 1988 trouxe uma conquista social que foi o Sistema Único de Saúde (SUS). O texto da lei garante atendimento Integral e Universal, ou seja, tudo e para todos. Muitas vezes, trata-se de uma ficção, infelizmente. A ineficiência das unidades básicas de saúde sobrecarrega os hospitais estaduais.

O cidadão procura resolubilidade. Se as prefeituras não entregam o serviço, o paciente procura as emergências hospitalares, mesmo quando 90% dos casos deveriam ser tratados nos postos municipais.

Faltosos

Em Criciúma, o prefeito Clésio Salvaro informa que o não comparecimento em consultas e exames representa 40% dos casos, o que prejudica o sistema, deixando profissionais ociosos e aumentando a fila. Na próxima quarta-feira (10) o assunto será tratado em audiência pública na prefeitura.

Ele acredita que “caso todos comparecessem às consultas a fila seria zerada em seis meses”.

São assuntos como esse que interessam à população e que os candidatos nas eleições de outubro deveriam se preocupar em apresentar soluções para enfrentá-los.

É isso que faz diferença na vida das pessoas.

Leia mais:

Novo Centro Histórico de Florianópolis terá menos asfalto e mais paralelepípedo; veja fotos

Praça dos "sonhos" em Florianópolis engavetada há 12 anos pode sair da maquete via parceria privada

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas