nsc
nsc

Opinião

Pedido de concessão de rodovia sem pedágio em São José é querer ‘almoço grátis’

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
23/10/2021 - 09h00
SC-281
SC-281 (Foto: Bruno César de Faria / Arquivo Pessoal)

Chega a ser até infantil o  posicionamento de alguns vereadores de São José que aprovaram, na segunda-feira (18) , a legítima e correta Moção ( nº 058/2021)  “de apelo ao Governador do Estado de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva e ao Secretário Executivo de Parcerias Público-Privadas, Ramiro Zinder, para que inclua a Rodovia Estadual SC-281 no programa de concessões de rodovias estaduais”. A coluna escreveu na última terça-feira (19) que, na prática, caso esta estrada entre no plano de concessões, “pode significar a instalação de praça de pedágio na estrada estadual que está no município''.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

É algo tão óbvio e racional que chega a ser surreal pensar que caso o setor privado seja responsável pela manutenção de uma rodovia o faça de graça. Quando se fala em concessão, significa que o setor privado ficará responsável pelo serviço de manutenção, conservação, guincho e até (dependendo do contrato) de ampliação e obras. A moção é clara: pede a inclusão do plano de concessões.

Quando se fala em concessão, tem pedágio no lote. Pode até não ser em uma estrada específica, mas certamente na região em que as vias estejam incluídas naquele lote. A conta é transferida de alguma forma. Não há almoço grátis. Concessão é pedágio. É como contratar uma empresa de segurança, ficar satisfeito com o serviço, mas dizer que não quer pagar por isso.

Como o caso repercutiu, o eleitor de São José cobrou, foi preciso inventar uma desculpa, tergiversar e até mentir.

Em nota, a Câmara de Vereadores de São José informou que “o que foi aprovado pela Casa é uma moção de apelo ao governador Carlos Moisés para que a rodovia seja incluída nos estudos que tratam da inclusão de rodovias estaduais como contrapartida em eventuais concessões como a da BR-282 ou de outra rodovia em que o projeto do Estado encontre viabilidade técnica”. Não é bem assim. A Moção, em nenhum momento cita a contrapartida por investimento na BR-282, cita apenas inclusão no plano de concessões.

É preciso que o homem público respeite a inteligência do eleitor e trate das questões com maturidade e de forma honesta.

É claro que a inclusão no Plano de Concessão não significa que ela irá existir. Depende de estudos de viabilidade econômico-financeira e se vão existir interessados. Para dar certo e evitar a lambança do Contorno Viário, precisa de bons estudos, bom contrato, segurança jurídica e controle social.

Leia Mais:

Corte de árvores no Jardim Botânico de Florianópolis antecede mudanças no local; entenda

Aeroporto de Florianópolis terá voos inéditos no verão; veja lista

Risco de desabastecimento de combustíveis causa preocupação em SC

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas