A praia da Galheta, no Leste da Ilha, em Florianópolis, virou terra de ninguém. No domingo (26), um homem foi preso em flagrante suspeito de estuprar uma mulher na trilha que liga o balneário à praia Mole. Segundo a Polícia Militar, a vítima foi encontrada desacordada, recebeu atendimento e precisou ser encaminhada ao Hospital Universitário. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Em fevereiro, a coluna informou que um guarda-vidas civil foi agredido com dois socos de uma pessoa após pedir para que a mesma deixasse de urinar perto do posto salva-vidas.

Trilhas e praias de Florianópolis:

Na época, o então coordenador dos salva-vidas das praias Mole, Joaquina e Galheta, cabo Martins, comentou que a situação era muito ruim. 

Continua depois da publicidade

—  Hoje se vê de tudo. As pessoas utilizam a restinga para se masturbar, fazer suas necessidades fisiológicas e sexo. Nós chamamos a atenção para as pessoas irem para a água ou para uma região mais afastada, mas elas ficam irritadas. Nos últimos anos a situação vem piorando. Esta é a minha sétima temporada de praia Mole. Teria que acabar com o nudismo. O brasileiro não está preparado para ter uma situação tão solta, sem regra ou fiscalização. A Galheta virou terra sem lei. Nós não temos que cuidar disso, nós temos que cuidar do mar. O que nós já recolhemos de preservativos e seringas da praia e da trilha vocês não fazem ideia. O que incomoda hoje é o sexo ao ar livre e com isso muitas pessoas são atraídas para roubar e assaltar. O problema é que as pessoas que frequentam a Galheta não buscam apenas o nudismo, elas buscam a sacanagem. Qualquer pessoa que vier para a praia vai ver isso. Infelizmente não se vê mais a família com crianças na praia, num clima respeitoso. E como o acesso é restrito, as pessoas se aproveitam disso — afirmou o bombeiro.

O Parque da Galheta foi criado pela lei n°3455, em 1990 e não previa o nudismo. 

Em 1997, a Câmara de Vereadores aprovou a admissão da prática do nudismo na Galheta, exclusivamente na praia, sem caráter de obrigatoriedade. Mais tarde, a lei 10.100, de 2016, revogou a Lei CMF 195/97 e, consequentemente, a prática do nudismo.

O problema não é o conceito do nudismo e o movimento que motivou a lei municipal, atualmente revogada. Não há histórico de problema com estas pessoas, que são respeitosas e conhecem o conceito do naturismo e como ele funciona (e bem) no mundo civilizado. 

O problema é que a “praia de nudismo” da Galheta acabou atraindo pessoas que vieram, também, com outros objetivos: assédio, uso de drogas e prática de crimes. 

Continua depois da publicidade

A prefeitura promete reforço na segurança com a Guarda Municipal e uso de drones. 

Leia Mais:

O bairro de São José que irá receber condomínio do Minha Casa, Minha Vida

A família que lidera o mercado de hortifruti na Grande Florianópolis

Destaques do NSC Total