nsc
nsc

Imunização de crianças

SC precisa de volta presencial às aulas com ou sem vacina

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
08/01/2022 - 06h22 - Atualizada em: 08/01/2022 - 06h30
Volta às aulas em Santa Catarina
Volta às aulas em Santa Catarina (Foto: Tiago Ghizoni / Arquivo NSC)

A melhor notícia em meio a este aumento de casos de Covid-19 em Santa Catarina, em função da variante Ômicron, é que os pediatras e epidemiologistas estão defendendo a volta presencial das crianças no ano letivo de 2022, independentemente do quão avançada estará a vacinação dos pequenos.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

> Festa com churrasco e chopp em quartel de SC é investigada pelos Bombeiros

Os especialistas apontam que a escola já se mostrou um ambiente seguro, controlado e que a volta às aulas não pode estar condicionada à vacinação dos jovens.

É um alento, traz um efeito tranquilizador esse posicionamento das entidades. O respaldo científico será importante para desarmar qualquer movimento contrário à presença das crianças na sala de aula.

Pais, professores e servidores todos vacinados são o indicativo fundamental para a continuidade da retomada após dois anos trágicos para a educação, principalmente nas redes públicas que ficaram mais tempo no ensino remoto.

Aguardar até que a criança esteja com o esquema vacinal completo - duas doses da vacina e esperar duas semanas após a aplicação da segunda dose -, pode aumentar ainda mais o abismo educacional que já cresceu nos últimos dois anos. A opinião é do  coordenador do Comitê de Infectologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Marcelo Otsuka, pediatra e infectologista.

Em entrevista à Globonews, a professora da Faculdade de Medicina da USP, Ana Escobar, afirmou que a escola pode ser um ambiente mais seguro "do que a própria casa das crianças, portanto não há razão para não mandar seus filhos para a escola".

Não se pode esquecer, claro, dos protocolos de seguranças, como o uso da máscara, higiene das mãos, evitar aglomerações e ambientes ventilados. E, também, monitorar o cenário e recuar pontualmente onde houver a necessidade.

Pois o que temos, sem dúvida, é a certeza da decisão equivocada adotada no Brasil de estender o ensino remoto por tanto tempo enquanto diversas outras atividades já haviam sido retomadas. Isso ocorreu, também, pelo fato dos governantes cederem à pressão de sindicatos e grupos de interesse. Perdeu a educação e, principalmente, os mais pobres.

Leia Mais:

SC aposta em campanha de prevenção à Covid para as pessoas “caírem na real”

Governo de SC faz reunião de emergência para tratar do novo cenário da pandemia

Filas no trânsito de Florianópolis têm solução? Veja as medidas para resolver

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas