nsc
nsc

Análise

Criciúma apresenta futebol de pouca intensidade contra o CSA

Compartilhe

Roberto
Por Roberto Alves
05/05/2022 - 16h40
Criciúma e CSA empataram em Maceió pela Série B do Campeonato Brasileiro
Criciúma e CSA empataram em Maceió pela Série B do Campeonato Brasileiro (Foto: Celso da Luz/Criciúma E.C.)

Um novo empate do Criciúma pela Série B e um futebol de pouca intensidade e qualidade continuam me trazendo dúvidas quanto à possibilidade de acesso à Série A no final do Campeonato Brasileiro. É cedo, alguns podem me dizer. Mas é fácil detectar se há ou não no momento time para acesso. 

> Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Não vejo essa condição no Criciúma, que investiu, que tem jogadores qualificados, mas ainda não encaixou o esquema como a característica de cada um. Nos jogos em casa, principalmente, deixou passar resultados que eram para três pontos.

Nesta quarta-feira (4), o empate contra o CSA, em Maceió, era para vitória. Trouxe um ponto na casa do adversário. Em um campeonato longo como o Brasileiro se você não fizer o dever de casa e buscar pontos fora não vai chegar a lugar nenhum.

Jogo doméstico entre Chapecoense e Brusque

A Chapecoense faz o melhor campeonato dos catarinense na Série B até agora. Quarto lugar na tabela, enfrenta o campeão estadual em Brusque nesta quinta à noite. O Brusque não está fazendo valer sua condição de campeão Catarinense. Está muito abaixo do que deveria, 10º lugar com 6 pontos é pouco.

A favor o argumento de que estamos apenas na quarta rodada e tem muito jogo pela frente. De qualquer maneira, o início é mais importante do que se pensa. Manter um bom começo de competição para arrancar na parte final é a fórmula de chegar ao acesso. O Brusque precisa melhorar muito. Preocupação com a situação do bom jogador Fernandinho.

Já o Verdão do Oeste de SC começou tropeçando, teve alguns maus resultados, e foi buscar a recuperação fora de casa em cima de adversários possíveis.

> Chapecoense joga mal e perde na Arena Condá

Avaí: Betão é nosso

Escrevi sobre a decisão do zagueiro Betão. Perfeita. Está identificado com o clube e a cidade. Família bem, filhos encaminhados e tranquilidade para continuar a carreira no que mais gosta, o futebol. Vai ajudar a fabricar craques para o Avaí e tornar realidade o sonho de muitos garotos que desejam seguir a carreira.

Alô, Jr. Rocha!

Melhor do que ninguém, você sabe que no futebol jogam os melhores. Um mínimo de condição física e o atleta se supera em campo. O Figueirense tem dois jogadores há muito fora do time, Andrew e Zé Mario. Dois jogadores titulares que precisam voltar urgentemente ao time.

A efetivação do meia Bassani é um aumento de qualidade. Enfim, o Alvinegro tem opções para o encaixe. A vitória, domingo, contra o Atlético Cearense, é o único resultado capaz de fazer a campanha crescer. Até porque o adversário até agora ainda não disse o que está fazendo na Série C.

> Figueirense joga mal, perde e a torcida vaia

Nosso Campeonato?

Temos dito que o Coritiba, próximo adversário do Avaí, na segunda, faz parte do grupo do time catarinense, ou seja, disputa o mesmo campeonato com objetivo maior de permanência na elite. Pois sim, o jornalista Cristian Toledo, da RPTV, afialiada Globo no Paraná, disse na CBN Floripa que a pretensão do Coxa é uma vaga na Libertadores da América, e senão for possível no mínimo a Sul-Americana.

Vimos então que a pretensão é maior do que imaginamos e, por isso, formou bom time para chegar a sua meta. Dito isto, imagina que jogo vamos ter na próxima segunda, às 20h, na Ressacada. 

Por isso mesmo a presença do torcedor é muito importante. Um jogador a mais na forma de pressionar e apoiar o time para um grande resultado.

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Mais colunistas

    Mais colunistas