nsc
nsc

Recorde

Abstenção triplica em Joinville e mais de 100 mil deixam de votar

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
15/11/2020 - 23h30
Abstenção chegou passou de 25% neste primeiro turno em Joinville
Abstenção chegou passou de 25% neste primeiro turno em Joinville (Foto: Arquivo AN)

As previsões de abstenção elevada se confirmaram e 101,4 mil eleitores deixaram de votar neste domingo em Joinville, em recorde das últimas quatro décadas. O índice de 25,13% é o triplo da disputa de 2016, quando 8,47% dos eleitores deixaram de comparecer no primeiro turno. Desde 1982, quando foi retomado o multipartidarismo em Joinville, os mais altos índices de abstenção, de 13,2% ocorreram em 1996 e 2012 (em eleição municipal em primeiro turno). Agora, há novo recorde.

> Em site especial, saiba tudo sobre as eleições 2020

> Darci de Matos e Adriano Silva estão no segundo turno em Joinville

> Confira aqui o resultado das eleições municipais em todas as cidades de SC

> Eleições 2020 em Joinville: com defesa de “nova política”, Adriano avança na reta final e fica com vaga no 2º turno

A maior abstenção se repetiu em outras cidades de Santa Catarina e do restante do País. A pandemia foi decisiva para a ausência de mais eleitores na votação do primeiro turno. O número de brancos e nulos também foi recorde neste primeiro turno, chegando a 12,54%. O maior percentual na disputa para prefeito em Joinville em primeira votação foi em 2016, quando nulos e brancos chegaram a 10,28%.

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas