A locação de seis galpões prevista na prorrogação do contrato de limpeza urbana de Joinville faz parte de iniciativa de oferecer espaços para os catadores informais fazerem a triagem dos recicláveis. A concessionária vai bancar os aluguéis, mas caberá Secretaria de Infraestrutura de Joinville organizar o sistema. Os galpões das cooperativas vão continuar funcionando normalmente, sem alterações e recebendo material da coleta seletiva contratada pela prefeitura.

Continua depois da publicidade

> Contrato do lixo de Joinville ganha mais dez anos com regra sobre reajuste

> ​Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Com a oferta de galpões para a triagem do material recolhido nas ruas, os catadores de recicláveis terão espaços adequados para fazer a separação. Além disso, o risco de descarte indevido dos resíduos é reduzido. A coleta oficial tem recolhido um volume menor de resíduos nos últimos anos em Joinville: em 2020, a média mensal ficou perto de 900 toneladas; no ano passado, não chegou a 600. O recuo mostra que a coleta antes da passagem dos veículos da seletiva tem crescido.

O detalhamento sobre o uso dos galpões deverá ser divulgado após a locação dos imóveis. Além dos espaços a serem alugados, a prorrogação do contrato prevê instalação de central para tratamento de resíduos, ampliação do aterro, mais ecopontos e reajuste da tarifa em até 95% da inflação. O contrato é de 2002 e teve a primeira prorrogação em 2012.

Continua depois da publicidade

> Perto de iniciar, debate sobre reajuste dos servidores de Joinville tem pré-pauta

> Justiça nega liminar à prefeitura de Joinville na ação sobre bloqueios

> Novo serviço de ônibus em Joinville atrai até 180 passageiros por dia

> O que mais provoca reclamações na ouvidoria da prefeitura de Joinville

> Edital de obra ao lado do rio Cachoeira, em Joinville, não atrai interessados

Destaques do NSC Total