nsc
nsc

MAIORIA ASSINOU

Moção na Câmara de Joinville sugere contratação de organização social para “tratamento precoce”

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
12/04/2021 - 18h45
Centro de tratamento precoce em Joinville foi instalado no ano passado
Centro de tratamento precoce em Joinville foi instalado no ano passado (Foto: Divulgação)

A Câmara de Joinville está analisando moção a favor de contratação de organização social para ampliar a oferta de tratamento precoce contra a Covid. O modelo sugerido seria uma forma de “suprir a falta de médicos que ofereçam, no município, o tratamento precoce”. A moção teve assinatura de 13 dos 19 vereadores. Como a maioria dos parlamentares assinou o documento, a proposição deverá ser aprovada na sessão desta terça-feira - a votação só não ocorreu nesta segunda-feira porque o tempo regimental da sessão se encerrou. As moções tratam de sugestões, não há obrigatoriedade de atendimento pelo Executivo.

> Reparos nas ruas da área central de Joinville começam nesta semana

> Justiça tem decisão em Joinville sobre recuperação de ruas atingidas pelas obras do Mathias

> Sem prazo para volta das obras, novo traçado do trem em Joinville tem série de pendências​​​

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

Em Joinville, um centro de tratamento precoce é mantido pela prefeitura desde o ano passado. Na atual administração, o espaço passará a ser denominado de centro de tratamento imediato. Desde 2020, o município alega que acompanha protocolo do Ministério da Saúde para a distribuição de medicamentos. No mês passado, parte de lote de cloroquina recebido do governo federal foi devolvido porque os medicamentos estavam perto do vencimento.

A moção apresentada na Câmara de Joinville defende o tratamento precoce, sem citar quais seriam os medicamentos a serem oferecidos. Mas são abordados exemplos de cidades que adotaram o modelo em larga escala. Defensor do tratamento precoce, o vereador Wilian Tonezi (Patriota) alegou que moção oferece uma "solução" para aumentar a oferta dos medicamentos.

AÇÃO JUDICIAL

Em Joinville, um grupo ingressou com ação popular na Justiça com pedido para que a prefeitura suspenda o tratamento precoce, sem distribuição de medicamentos que não tenham eficácia comprovada contra o coronavírus. A ação cita a ivermectina e a cloroquina como exemplos. A Justiça está analisando o pedido de liminar, sem decisão até agora.

> Prefeitura de Joinville pode buscar opções para compensar prejuízos dos ônibus​​

> Câmara de Joinville vai tentar votar reforma da Previdência ainda em abril

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas