nsc
    nsc

    Reforço na prevenção

    Nota de alerta sobre coronavírus em Joinville avisa sobre risco de “nova onda” de casos

    Compartilhe

    Saavedra
    Por Saavedra
    19/11/2020 - 16h27 - Atualizada em: 19/11/2020 - 17h23
    Joinville teve aumento de internações por causa do coronavírus nas últimas semanas
    Joinville teve aumento de internações por causa do coronavírus nas últimas semanas (Foto: Divulgação)

    A alta de novos casos de coronavírus em Joinville motivou nota de alerta epidemiológico, divulgada nesta quinta-feira. O documento aponta também o maior número de casos de síndrome gripal e reforça a atenção com a prevenção para reduzir a transmissão da doença. A avaliação foi feita pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde, ligada à Gerência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde de Joinville.

    > Joinville terá ambulatório para atender pacientes com sequelas de Covid-19

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

    > Matriz mantém Joinville e região em risco “grave”; casos novos e leitos de UTI têm impacto

    Com base em dados dos casos nas últimas semanas, a nota de alerta aponta semelhanças com o intervalo entre junho e julho, quando houve maior ocupação hospitalar. O documento técnico indica que o aumento sugere a proximidade com “nova onda” de casos. Por isso, a necessidade de mais prevenção.

    A nota reforça a orientação sobre o uso da máscara, higiene das mãos e distanciamento social, o cuidado em evitar aglomerações e a necessidade de isolamento de quem tem os sintomas, inclusive familiares. “Essas medidas são fundamentais nesse momento para evitar um possível colapso do sistema de saúde, aumento no número de sequelas e óbitos relacionado a Covid-19 e medidas mais restritivas para controle da transmissão do coronavírus”, analisa a nota.

    Na atualização da matriz de risco do governo do Estado, divulgada na quarta-feira, Joinville e região permaneceram no risco “grave” para a pandemia, com pontuação mais próxima da situação “gravíssima” do que de risco “alto”.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas