nsc
nsc

Desabamento

Quais pontos podem definir apuração sobre acidente da calçada em Joinville

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
25/11/2021 - 17h41
Desabamento de calçada na segunda-feira deixou 33 feridos
Desabamento de calçada na segunda-feira deixou 33 feridos (Foto: Leoh Julio, Reprodução)

A apuração sobre os impactos das obras realizadas no local e das condições da galeria antiga do rio Mathias poderão ser decisivas para definir o que exatamente provocou o acidente de segunda-feira, quando o desabamento da calçada feriu 33 pessoas. O incidente ocorreu durante o evento da abertura do Natal Cultural, apresentada em frente à prefeitura de Joinville.

> Após acidente em Joinville, interdição é mantida e trânsito tem mudança

​​> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp 

O município citou que o acidente ocorreu no ponto onde se conecta a antiga galeria do rio Mathias com o módulo das comportas, integrante do sistema de bombeamento da macrodrenagem. A galeria, construída há décadas, é uma espécie de ponte subterrânea, com cabeceiras de pedra e lajes fazendo a ligação. O Mathias cruza por ali, com leito vindo da praça em frente, a Dario Salles. O que desabou foi um bloco, com vigas, com dimensões de aproximadamente 4,1 x 6,1 metros.

No final de 2019, como previsto na macrodrenagem, um pedaço desse bloco foi removido para a instalação do pré-moldado das comportas, na ligação entre o Mathias e o Cachoeira. Uma questão a ser apurada se o “recorte” necessitava de restauração e, se preciso, por que não foi feita na sequência. Há a possibilidade de que essa recomposição necessitaria de um aditivo.

O consórcio contratado para a macrodrenage alega que o local permaneceu isolado, sem acesso ao público, enquanto o contrato esteve em vigor (até julho do ano passado). Portanto, as empresas não teriam responsabilidade sobre o que foi feito após a rescisão contratual. A prefeitura de Joinville afirma que a Secretaria de Infraestrutura está buscando a documentação da época, inclusive diários de obras, para se posicionar. A queda foi do bloco inteiro, não somente do ponto onde houve a intervenção para as comportas.

Depois, quando o contrato já estava rescindido, a porção aberta foi restaurada e o bloco recebeu a recomposição da calçada, já no atual governo. A prefeitura alega que a instalação do paver foi uma ação para recuperar a acessibilidade e segurança do local, sem impactos estruturais. A Câmara de Joinville convidou representantes da prefeitura para prestarem esclarecimentos sobre essa obra de recomposição da calçada, sobre eventuais impactos no bloco.

Há ainda outro fator que está sendo apurado, este em relação à manutenção da galeria antiga do Mathias: qual o estado das vigas, se havia corrosão capaz de impactar na sustentação do bloco. A prefeitura está fazendo inspeção em toda a galeria. Os laudos das apurações das causas devem sair nos próximos dias. 

> Após acidente em Joinville, o que o TCE quer saber da prefeitura

> Consórcio que atuou nas obras do Mathias em Joinville divulga nota

> Como será a investigação sobre queda de calçada em Joinville e quem pode ser acusado

> Plano mais antigo, robôs viram urgência para perícia em galerias de Joinville

​> ​Polícia Civil investiga causas do acidente no evento do Natal de Joinville

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas