nsc
nsc

Crônica

Quantas vezes saltei o processo de aprender

Compartilhe

Vanessa
Por Vanessa Tobias
12/03/2021 - 06h00
É o medo, o impulso do que planeja.
É o medo, o impulso do que planeja. (Foto: Pexels, banco de imagens)

Uma das coisas que mais gostei de ouvir foi a fala rápida do médico dizendo que eu já poderia andar sem a bota, 15 dias depois de quebrar o meu pé. Tem hora que tudo que a gente deseja é uma fala milagrosa para um problema chato. Lá estava eu, surda para minha própria pulguinha atrás da orelha.

> "Recorrer aos nossos pais é uma memória de humildade"

Venho refletindo sobre a imensa utilidade do medo. Sente medo aquele que amadureceu e aprendeu com a experiência. É o medo, o impulso do que planeja. 

Outro dia decidia a criar meu próprio chocolate “permitido” para o dia - 80% cacau ou sem açúcar - entrei em contato com a fábrica. Falei que gostaria de fazer o chocolate em formato de onça e descobri que para fazer o chocolate como quero devo, antes, escolher em que forminha vou fabricá-lo. Uma forma custa 450 reais e o chocolate não apresenta os acabamentos com tanta precisão, e a outra custa R$8 mil - e fica perfeito. A sugestão da fábrica, diante da experiência é que eu comece com a forma mais simples e evolua para a mais detalhada a partir do sucesso do chocolate.

> Leia também: saiba como harmonizar chocolate e vinho

Antigamente eu acharia que começar com a forma de R$450 significaria minha desconfiança sobre o sucesso do produto, e hoje eu entendo que não se pode ostentar a forma de R$8 mil sem ter vivido a “ponta do lápis” desse negócio. 

É que a salvaguarda divina acaba quando se rompe a nossa ignorância. E alguns dos meus impulsos mais destemidos não vieram acompanhados dos pormenores, e pé que tira a bota antes, não acelera. 

Quantas vezes saltei o processo de aprender sobre as etapas de conquistar as coisas só porque encontrei um médico legalzão ou aceitei uma fala empolgante, mas irresponsável?!

> Leia também: 10 aplicativos para cuidar da saúde física e mental

Nossa sorte nos acompanha até que o livre arbítrio nos seja consciente. 

Dito isso marquei outro ortopedista e de lá sai com uma ressonância e a demanda de retomar a muleta até ter certeza. Depois de testar pé pra lá e pé pra cá, apertar e mover todos os possíveis ossos do meu pé, disse que só com pé biônico é que em 15 dias eu poderia estar andando como se nada fosse. Preocupada em acelerar, não vejo a hora de andar devagar denovo.

Leia mais crônicas de Vanessa Tobias.

Vanessa Tobias

Colunista

Vanessa Tobias

A catarinense Vanessa Tobias é uma da mais conhecidas life coaches do país. Aborda temas como autodesenvolvimento, empreendedorismo, finanças, família, carreira, sucesso, multidisciplinaridade e como viver o presente, com os olhos no futuro.

siga Vanessa Tobias

Vanessa Tobias

Colunista

Vanessa Tobias

A catarinense Vanessa Tobias é uma da mais conhecidas life coaches do país. Aborda temas como autodesenvolvimento, empreendedorismo, finanças, família, carreira, sucesso, multidisciplinaridade e como viver o presente, com os olhos no futuro.

siga Vanessa Tobias

Mais colunistas

    Mais colunistas