nsc
an

Pandemia

"A população não acredita em nada e estamos perdendo vidas", diz secretário de saúde de Joinville

Em entrevista à CBN Joinville, Jean Rodrigues da Silva falou sobre o descumprimento dos decretos na cidade e o impacto no sistema de saúde

08/12/2020 - 12h28 - Atualizada em: 08/12/2020 - 12h36

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra o secretário de saúde de joinville jean silva olhando os leitos do hospital bethesda em agosto
O secretário Jean Rodrigues da Silva em foto de agosto, quando foi criada uma UTI para pacientes com Covid-19 no Bethesda
(Foto: )

O secretário de saúde de Joinville, Jean Rodrigues da Silva, reforçou a situação de alerta da pandemia do novo coronavírus na cidade em entrevista ao Notícia na Manhã, da CBN Joinville, na última segunda-feira (7). Segundo os dados da Prefeitura de Joinville, 406 pessoas morreram — sete somente nesta semana — e mais de 5 mil estão em isolamento domiciliar. 

> Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em SC

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

As vagas de UTI exclusivas para pacientes com Covid-19 estão 100% ocupadas, e não há equipes para ampliar o atendimento neste momento. Nos hospitais particulares, havia apenas cinco vagas de UTI Covid na noite desta segunda-feira. 

— Estamos num momento difícil porque tudo o que foi feito anteriormente deu resultado. A gente conseguiu diminuir o número de casos. Mas, com as flexibilizações, nós não conseguimos compatibilizar a situação de flexibilização com o novo normal. E quando eu digo nós, eu incluo a população e o poder público — analisou ele.

> Joinville corre risco de colapso no sistema de saúde, alerta médico

Para Jean, o erro foi as pessoas entenderem que, com as flexibilizações dos últimos dois meses, "estava tudo certo" e a vida podia voltar ao normal. Os feriados de 2 e 15 de novembro, quando parte da população foi às praias e, mesmo quem permaneceu na cidade, participou de aglomerações em festas, encontros e espaços públicos, levaram ao aumento no número de casos ativos. As eleições também foram citadas por ele como motivo para aumento no nível de contaminação.

— Estamos abrindo mais leitos nesta semana e na semana que vem, mas isto não é senha para que a gente possa deixar de respeitar as regras e, justamente, as restrições — informou ele.

> Saavedra: O que motiva o temor do agravamento da situação da pandemia em Joinville

Joinville sob novas restrições

Desde segunda-feira, Joinville vive sob novo decreto: a ocupação em comércio, como lojas, restaurantes e similares, só pode atingir até 30% da capacidade total; o funcionamento só pode ocorrrer entre 6 e 23 horas; e é proibida a entrada de pessoas da mesma família juntas em supermercados. Eventos, festas, feiras e palestras estão proibidos, assim como funcionamento de casas de shows, museus, bibliotecas e de lugares onde são praticados esportes coletivos, desde 2 de dezembro.

— Tentamos aplicar restrições na medida que não interferissem tanto na vida das pessoas, mas alguns segmentos infelizmente estão impactados, principalmente a área de eventos e de canchas de esportes coletivos, por causa das aglomerações — destacou Jean. 

> O que está proibido e o que está liberado em Santa Catarina

Segundo ele, mesmo com as restrições do decreto de 2 de dezembro, muitas pessoas não cumpriram as regras. A Vigilância em Saúde recebeu denúncias da realização de festas e de pubs que abriram no fim de semana. 

— Estamos com dificuldade de entendimento de que 14 dias que foram colocados [no decreto municipal], precisam ser cumpridos para que a gente possa ter algum tipo de flexibilização no final de dezembro ou início de janeiro. Mas, do jeito que está indo agora, está sendo muito difícil. É um momento delicado, em que tudo está sendo questionado. A população não acredita em nada, acha que tudo é movimento político e, infelizmente, estamos perdendo vidas e impactando o sistema como um todo — afirmou.

> Mundo chega a mais de 1,5 milhão de mortos por coronavírus

Colunistas