nsc
    dc

    Sociedade

    A transformação de cada um em meio à pandemia

    Enquanto para alguns a pandemia é uma oportunidade de pensar no outro, há quem mantenha o olhar apenas em metas pessoais

    15/03/2021 - 06h00 - Atualizada em: 15/03/2021 - 08h29

    Compartilhe

    Por Ângela Bastos
    Especialistas ouvidos pela reportagem avaliam os impactos da pandemia no comportamento das pessoas
    Especialistas ouvidos pela reportagem avaliam os impactos da pandemia no comportamento das pessoas
    (Foto: )

    Em 27 de março do ano passado, o mundo assistiu a uma das imagens mais emblemáticas da pandemia do novo coronavírus. Naquele dia, o Papa Francisco rezou sozinho na imensa Praça São Pedro. Foi a primeira vez na história milenar da Igreja católica em que um papa orou solitário, deu a bênção e a indulgência plenária ao mundo pelo fim da peste que só no Brasil tirou a vida de 270 mil pessoas.

    > Painel do Coronavírus: acompanhe a evolução da pandemia em SC

    Cinquenta dias depois da Páscoa, em maio, na festa de Pentecostes, Francisco dizia que “Quando sairmos dessa pandemia, não poderemos continuar fazendo o que temos feito e nem da forma que estávamos fazendo. Não, tudo será diferente”. O Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, também se manifestou cheio de esperança de que a pandemia ajudaria o mundo positivamente: “Esta provação é para nós a oportunidade de mudarmos para melhor”, destacou o chefe da Igreja Ortodoxa da Turquia.

    > Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

    Também o líder espiritual do Tibete, Dalai Lama, apostou numa lição de responsabilidade universal. Prêmio Nobel da Paz em 1989, ele defendeu os valores da compaixão e de apoio mútuo e disse que a resposta deveria ser com atitudes de humanidade.

    Um ano depois da chegada da pandemia a Santa Catarina, onde pelo menos 8 mil pessoas morreram em consequência da Covid-19, a gente se pergunta: estarão certos os influentes líderes religiosos, assim como tantos outros que acreditam nesta capacidade de regeneração da humanidade? Será que a pandemia e tudo que ela impõe – distanciamento social, solidão, doença, mortes, crise na economia, desemprego – nos fez melhorar como pessoas? 

    – A pandemia é uma crise coletiva que impacta todas as pessoas, mas ao mesmo tempo de uma forma particular. Isso faz com que cada um reaja diferente ao momento doloroso que a humanidade atravessa. Enquanto uns percebem a questão coletiva, outros seguem olhando de forma individual e perdem a oportunidade de crescimento – avalia o psicólogo Rossandro Klinjey.

    Em vídeo, Rossandro Klinjey comenta sobre o comportamento das pessoas na pandemia:

    Ele é também escritor e palestrante conhecido pelos comentários sobre comportamento, educação e relacionamentos no programa Encontro com Fátima Bernardes, da Rede Globo, e no seu canal no Youtube e no Instagram. Ele complementa o raciocínio: 

    – As crises têm um caráter pedagógico e isso é doloroso. Mas se dói tanto, como acontece atualmente com todos, porque não sairmos transformados desta situação? Por que não aproveitar e construir valores que não tínhamos antes? – pergunta.

    > Um ano após o início da pandemia, catarinenses revelam mudanças na vida pessoal e profissional

    Para o psicólogo, este é o propósito das crises e das dores humanas: diante da dor experimentada podemos ter mais compaixão e empatia pela outra pessoa, pelo sofrimento do outro, reinventar o nosso lado melhor. Mesmo assim, nem tudo está perdido: 

    – Se por acaso a gente tem ainda um lado sombrio, não devemos nos culpar e sim nos responsabilizar e nos transformar. Só assim a gente vai aprender com esta crise - pontua.

    “É um momento de servir, de estender a mão”, afirma filósofo Clóvis de Barros Filho

    O homem sairá transformado da pandemia. Se melhor ou pior, depende da referência. É o que diz o filósofo Clóvis de Barros Filho autor do livro “Despertar Inspirado”, em parceria com a Monja Coen Roshi, e onde ele faz uma sequência de reflexões diárias, movido pela reclusão e a necessidade de se manter inspirado, e complementadas por comentários da monja. 

    – Prefiro falar não do “quando tudo voltar ao normal”, mas do agora, do presente, de onde a vida está. Temos diante de nós este momento, o qual depende de nós e de nos darmos conta do quinhão de existência que está nas mãos do acaso – diz Barros Filho.

    Clóvis de Barros Filho fala sobre o momento de nos aperfeiçoarmos durante a pandemia no vídeo a seguir:

    Para filósofo, o momento é rico para que as pessoas possam se aperfeiçoar e buscar uma vida mais autêntica. 

    – O momento é bom para avaliarmos os limites da nossa perfeição. É um momento de servir, de estender a mão. 

    Já a líder espiritual budista de maior prestígio no Brasil, monja Coen, considera que uma tragédia social pode também ser um momento de avaliar a vida, a sociedade e encontrar uma chance de reconexão e realinhamento. Neste contexto, a resiliência é muito importante: 

    – Não podemos desistir nem de nós mesmos, nem do mundo. O que estamos precisando neste momento é dar foco naquilo que é benéfico.

    “O cuidado sara as feridas passadas e impede que no futuro tenhamos outras”, diz teólogo

    Para o catarinense Leonardo Boff, teólogo e um dos maiores expoentes da Teologia da Libertação no mundo, é tempo de se criar a cultura da fraternidade sem fronteiras, e do cuidado necessário que a tudo envolve. Como pessoas somos todos interdependentes e devemos nos cuidar.

    O cuidado implica numa relação afetuosa para com as pessoas e para com a natureza; é amigo da vida, protege e confere paz a todos que estão à sua volta. 

    – Cuidar de todas as coisas, desde o nosso corpo, da nossa psique, do nosso espírito, dos outros e mais comezinhamente do lixo de nossas casas, das águas, das florestas, dos solos, dos animais, de uns e de outros, começando pelos mais vulneráveis. 

    O estudioso nascido em Concórdia, no Oeste do Estado, observa que o isolamento social trazido pela pandemia despertou a humanidade de um sono profundo. Sem que os homens tivessem programado, eles começaram a ouvir os gritos da Terra e os gritos dos pobres e a necessidade do cuidado de uns para com os outros e também da natureza e da Mãe Terra. 

    – Sabemos que tudo o que amamos, cuidamos, e tudo o que cuidamos também amamos. O cuidado sara as feridas passadas e impede que no futuro tenhamos outras – conclui.

    Leia mais:

    > Catarinense conta como superou a Covid na gravidez e com diabetes

    > Após perder avós para a Covid em 24h em SC, neta busca manter união da família

    > Ansiedade, dores e saudade: a rotina de uma professora de SC durante a pandemia

    > Catarinense pede demissão, empreende e tem vida nova na pandemia

    > Covid-19: acompanhe o avanço da vacinação em Santa Catarina

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas