nsc
santa

ESPORTES

Acesso do BEC coloca dois times de Blumenau na Série B de SC em 2022, mas nenhum jogará na cidade

Sem estádio e sem perspectiva de que a municipalização do Sesi ocorra a tempo, Metropolitano e Tricolor terão de jogar em outros municípios a Segunda Divisão do Catarinense em 2022

22/11/2021 - 14h11 - Atualizada em: 22/11/2021 - 14h32

Compartilhe

Augusto
Por Augusto Ittner
Metropolitano e BEC chegaram a se enfrentar quatro vezes no Sesi em 2018, com duas vitórias do Verdão, um empate e um triunfo tricolor.
Metropolitano e BEC chegaram a se enfrentar quatro vezes no Sesi em 2018, com duas vitórias do Verdão, um empate e um triunfo tricolor.
(Foto: )

Blumenau terá duas equipes na Série B do Catarinense em 2022, mas nenhuma delas jogará em... Blumenau. 

Com o acesso do BEC à competição, conquistado neste fim de semana, o Tricolor ascende ao mesmo campeonato que será disputado pelo Metropolitano, recém-rebaixado da elite. O problema é que sem estádio na terceira maior cidade de Santa Catarina, os clubes terão de optar por mandar jogos em municípios vizinhos, assim como ocorreu nos últimos anos.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

O Metropolitano, por exemplo, joga desde 2020 no Estádio Hermann Aichinger, do Atlético de Ibirama — cidade que tem cerca de 5% da população de Blumenau. 

O Verdão fez uma série de melhorias na estrutura, arcou com a drenagem do campo, aumentou as dimensões e trocou o gramado, além de ter pago por ajustes até nas arquibancadas. 

Já o BEC teve de reformar o Estádio Gigante do Vale, em Indaial, casa do XV de Outubro, para poder mandar os jogos na Terceira Divisão do Estadual deste ano.

O distanciamento de ambos os clubes com a cidade ocorre porque desde o início do ano passado a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) não quis mais alugar o Estádio do Sesi. 

O motivo, sinalizado em abril de 2019, seria direcionar o complexo da Rua Itajaí a serviços de saúde e para a educação de trabalhadores. O argumento, porém, era pano de fundo para o desinteresse da entidade em manter o espaço de desembolsar valores, por exemplo, para melhorias no campo. Não era algo prioritário.

Essa situação abriu brecha para a municipalização do complexo esportivo.

Negociações retomadas

No início deste ano, o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt (Podemos), enviou um ofício à Fiesc formalizando o desejo do município em assumir o complexo esportivo. Esse movimento político esquentou as conversas sobre a estrutura e trouxe à tona o debate sobre a municipalização do local. 

Até a Câmara de Vereadores chegou a criar uma Comissão Temporária Especial com o objetivo justamente de acompanhar as negociações entre o Executivo e a Federação das Indústrias.

O assunto ganhou ainda mais peso depois que o colunista Pedro Machado, do Santa, publicou em primeira mão a informação de que a municipalização do Sesi faria parte de uma estratégia turística de Blumenau

Isso fez com que as atenções sobre o complexo esportivo não ficassem somente entre aqueles envolvidos no esporte, mas também ganhassem espaço com um importante setor da economia. Juntas, Vila Germânica e a estrutura do Vorstadt formariam o maior complexo turístico do Brasil, chegou a relatar o secretário Marcelo Greuel.

> Leia também: Fiesc sugere à prefeitura venda parcelada do Complexo do Sesi em Blumenau

> E mais: "Joga em casa Blumenau": torcedores se mobilizam por construção de estádio na cidade

O pedido financeiro da Fiesc à prefeitura de Blumenau, porém, foi maior do que o previsto. Isso fez com que as negociações esfriassem por cerca de 90 dias até que neste mês de novembro fossem retomadas. Os valores são mantidos sob sigilo por ambas as partes.

— Agora está sendo feita [por parte da prefeitura] uma avaliação minuciosa em cima da proposta da Fiesc, contestando os valores. É uma negociação imobiliária que não tem prazo para ser concluída e só vai andar quando chegarmos a um denominador comum — afirma o vereador Alexandre Matias (PSDB), integrante da Comissão.

Sem celeridade na negociação e com a iminência da confirmação da Série B do Catarinense para o primeiro semestre de 2022 — por conta da presença do Criciúma, também rebaixado neste ano — tudo indica que Metropolitano e BEC não jogarão em Blumenau novamente.

Ficará para 2023.

Leia mais

Sesi de Blumenau pode ter pista de caminhada duas vezes maior que a do parque Ramiro

Colunistas