nsc
    dc

    Representatividade

    Aumento de eleitores idosos em SC reforça pautas da terceira idade no debate eleitoral

    Mudança acompanha novo padrão populacional do país e fortalece apelo por políticas públicas como opções de lazer e atendimento domiciliar aos mais vulneráveis

    12/09/2020 - 07h00

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Número maior de eleitores idosos em SC alerta para pautas da terceira idade no poder público
    Número maior de eleitores idosos em SC alerta para pautas da terceira idade no poder público
    (Foto: )

    O aumento do número de eleitores de idosos em SC, que nas eleições 2020 vão representar 8% do eleitorado do Estado, acompanha uma mudança do padrão demográfica no país em curso nas últimas décadas, que envolve menores índices de natalidade e aumento da expectativa de vida. O professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC, Julian Borba, diz que esse envelhecimento da população causa impactos na política de três formas. 

    > Eleições 2020: 8% dos eleitores em SC têm mais de 70 anos

    A primeira é a busca de eleitores por mais candidatos com idade elevada, em busca de representatividade. O segundo aspecto é justamente o aumento de demandas por políticas públicas voltadas à terceira idade. A terceira alteração ocorre na representação por perspectiva, quando mesmo candidatos que não se enquadram no perfil de idosos encampam as pautas e demandas desse eleitorado. 

    > Em site especial, acompanhe tudo sobre as eleições municipais de 2020

    – Se em um padrão demográfico com muitos nascimentos as demandas são por escolas e creches, numa mudança desse padrão demográfico com muitas pessoas acima dos 60 anos, as demandas por políticas públicas passam a ser outras – aponta o professor, que destaca o surgimento de políticas nacionais e conselhos locais para pessoa idosa como espaços por onde essas novas demandas passaram a chegar ao Estado. 

    Participação social de idosos é uma das prioridades 

    Moradora de Florianópolis, Suzerlei completou 70 anos em 2020, mas pretende continuar votando
    Moradora de Florianópolis, Suzerlei completou 70 anos em 2020, mas pretende continuar votando
    (Foto: )

    A maior participação de eleitores da terceira idade amplia a discussão sobre pautas voltadas aos idosos no debate eleitoral a ser travado nos municípios. Santa Catarina se destaca pelos altos índices de desenvolvimento humano e tem também a maior expectativa de vida do país. Segundo a última Tábua de Mortalidade do IBGE, catarinenses vivem em média 79,7 anos, três anos a mais do que a média nacional. Ainda segundo o IBGE, quem atinge os 65 anos em SC deve alcançar, na média, pelo menos os 85 anos de vida. 

    A psicóloga e especialista em Gerontologia Katia Simone Ploner, professora da Univali, reconhece que o Estado tem boas políticas de direitos para idosos, mas ressalta que ainda existe muito preconceito com a velhice e dificuldades enfrentadas. 

    Na avaliação dela, as ações do poder público voltadas à terceira idade deveriam se dividir em três eixos. Um deles seria direcionado para idosos saudáveis, com projetos para aumentar a autonomia e a participação social desse público. Aqui se encaixam aulas de dança, música ou reuniões de idosos que desenvolvem prática de esportes ou atividades culturais. 

    Esse trabalho está presente em ações como o programa Floripa Feliz Idade, que auxilia atividades de 135 grupos de idosos de Florianópolis com materiais e viagens, abrangendo cerca de 4 mil idosos. Em Blumenau, a Fundação Pró-Família é outra instituição que desenvolve atividades esportivas e culturais com quase 6 mil idosos.

    > Eleições 2020 terão menos eleitores jovens em SC; educação política é chave para engajamento

    A vice-presidente do Conselho Municipal do Idoso de Florianópolis, Roselene Antunes, frisa que é preciso rever o olhar sobre a terceira idade, deixando de associar a pessoas sem energia e vendo-as como pessoas ativas e produtivas. 

    – Cada vez mais a sociedade e o município têm que estar preparados porque as pessoas cada vez vão estar mais ativas, vivendo mais e participando, seja no âmbito social, econômico, público ou de empresas. 

    > Eleitores serão impedidos de votar caso não estejam de máscara, diz TSE

    Atendimento domiciliar e acesso a serviços

    Mas é nas ações para idosos vulneráveis ou dependentes que estão os maiores desafios para o poder público. Segundo a psicóloga e professora da Univali, uma das iniciativas importantes para esse atendimento seria a criação dos chamados “centros dia”, locais onde os idosos ficam durante o dia, com assistência de saúde e atividades, para que o familiar possa trabalhar, permitindo que à noite ele volte para casa com a família.

    Esses espaços reduzem a demanda sobre as instituições de longa permanência para idosos, antigamente chamadas de asilos ou casas geriátricas. Florianópolis possui um “centro dia” e Blumenau discute a criação de um, em projeto interrompido pela pandemia. 

    O terceiro e último ponto de atenção do poder público defendido pela psicóloga é a adesão de municípios ao programa governamental "Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa". A proposta prevê que as cidades sejam voltadas para a integração entre as gerações, com mais autonomia e protagonismo do idoso saudável. 

    > Eleições 2020: como consultar o local de votação

    – Atualmente é como se tivéssemos uma segregação etária e social. Temos lugares que jovens frequentam, lugares de casais, lugares para crianças e lugares para idosos. Precisamos pensar em lugares de convivência de pessoas, de lazer, de esporte, de educação em saúde, que sejam mais integrados e proporcionem a conscientização de que todos estamos envelhecendo e todos construímos uma sociedade e seus valores juntos – aponta a professora. 

    Foco no atendimento

    A coordenadora do Conselho Municipal do Idoso de Blumenau, Maria Augusta Caldeira Koch Buttendorf, chama atenção para a inversão que ocorre na pirâmide etária da população, com aumento de pessoas idosas e diminuição de crianças e adolescentes. Segundo ela, isso exige uma inversão nas políticas públicas para fortalecer ações como atendimento domiciliar e acesso a medicação e projetos por parte dos idosos. 

    – Podemos ter idosos independentes até o fim da vida, mas há situações de idosos que precisam de cuidados e que não tiveram filhos, não têm preparação para essa fase final da vida. Então o foco deve ser o atendimento ao idoso, principalmente os frágeis ou vulneráveis – orienta. 

    > Infográfico: conheça o perfil do eleitor de Santa Catarina

    Projeto busca isentar eleitores com mais de 60 anos que não votarem

    Um projeto de lei apresentado pelo deputado Pompeo de Mattos (PDT/RS) na Câmara Federal propõe isentar eleitores com mais de 60 anos que decidirem não votar nas eleições 2020 por causa do receio da pandemia do novo coronavírus.

    Entre as sanções previstas para quem não votar e nem justificar a ausência no dia da votação, a mais comentada costuma ser a multa de R$ 3,50, mas a lei que instituiu o Código Eleitoral prevê a proibição de participação em concurso público e posse em cargo público e de obter passaporte ou carteira de identidade.

    A proposta foi apresentada em julho, mês em que o país vivia o momento mais crítico da pandemia de covid-19, mas até agora aguarda um despacho da presidência para começar a tramitar na Câmara Federal. Internamente, ganha força a tese de que a proposta não deve ser votada antes da eleição deste ano para não desestimular a participação desses eleitores.

    > Tudo é Política: colunistas debatem o possível placar do impeachment contra Moisés na Alesc

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas