nsc
hora_de_sc

Tragédia

Autor de assassinato a tiros durante o Carnaval em Florianópolis é condenado

Caso ocorreu em fevereiro de 2020, após uma discussão entre a vítima e o réu

23/10/2021 - 06h00

Compartilhe

Por Luana Amorim
Diego morreu durante o Carnaval em um estacionamento da Capital
Diego morreu durante o Carnaval em um estacionamento da Capital
(Foto: )

O homem que assassinou Diego Dal Bosco Bisotto com um tiro na cabeça, durante o Carnaval em Florianópolis, em 2020, foi condenado a 12 anos de prisão. O julgamento ocorreu nesta quinta-feira (21) pela Vara do Tribunal do Júri da Capital. Ele pode recorrer da decisão.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

O caso aconteceu em fevereiro de 2020. Diego trabalhava em um estacionamento, no Centro de Florianópolis, quando o réu atirou contra ele. Segundo a investigação, a vítima teria olhado para a namorada do homem, após eles voltarem de um bloco de Carnaval, o que motivou o ataque.

Na decisão, o magistrado Mônani Menine Pereira destacou a periculosidade do acusado, principalmente, por andar armado durante o evento. 

— Não bastasse, ainda durante a festividade, o réu passou pela vítima e retornou ao seu encontro, desferindo o tiro à queima-roupa sem qualquer chance de defesa. Evidente, portanto, a brutalidade do delito e a frieza do réu — frisou na decisão. 

Depois do crime, segundo a denúncia, o réu fugiu, até que foi capturado pela polícia. Já na delegacia, ele negou o crime e, para a Justiça, confessou que pediu para que os amigos mentissem sobre o fato, segundo o juiz. 

O homem foi condenado pelo crime de homicídio qualificado. Ele está preso e não tem o direito de recorrer em liberdade. 

Relembre o caso 

O caso ocorreu na noite do dia 22 de fevereiro. Segundo a Polícia Militar (PM), testemunhas relataram que o autor do crime passava em frente ao local com outras pessoas quando teria começado a discutir com o funcionário. Em seguida, ele sacou uma arma e disparou na cabeça da vítima. 

Diego chegou a ser internado, mas morreu dois dias depois no Hospital Governador Celso Ramos. Ele era natural de Caçador, no Oeste catarinense.

Leia também: 

SC tem botijão de gás mais caro do Sul e moradores recorrem ao fogão a lenha

Mulher que denunciou médico suspeito por estupro em Joinville desabafa: "Pesadelo"

Fronteira com a Argentina tem novas regras para brasileiros após reabertura em SC

Colunistas