nsc
dc

Política

Bolsonaro diz que pretende dar aumento para servidores, via PEC dos Precatórios

Presidente afirmou que todos os atuais funcionários federais, "sem exceção", vão receber benefício

16/11/2021 - 16h41

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Bolsonaro está em Dubai e afirmação foi feita em evento com empresários árabes
Bolsonaro está em Dubai e afirmação foi feita em evento com empresários árabes
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que pretende usar parte da folga fiscal, gerada pela eventual aprovação da PEC dos Precatórios, na concessão de aumento salarial para servidores federais. A confirmação foi feita nesta terça-feira (16), durante evento empresarial em Dubai.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

- A inflação chegou a dois dígitos. Conversei com o [ministro da Economia] Paulo Guedes, e em passando a PEC dos Precatórios, tem que ter um pequeno espaço para dar algum reajuste. Não é o que eles [servidores] merecem, mas é o que nós podemos dar - afirmou.

Segundo Bolsonaro, a urgência do aumento também se deve aos efeitos da pandemia da Covid-19 e todos os servidores, "sem exceção" serão beneficiados.

> Recuo de Bolsonaro no PL embaralha disputa pelo governo de SC

> Mourão se irrita com pergunta e pede para jornalistas "baixarem a bolinha"

- Por causa da inflação, os servidores estão há dois anos sem reajuste. Com a questão da pandemia, isso [aumento] até se justifica, porque muita gente perdeu o emprego ou teve até seu salário reduzido - continuou.

A proposta de emenda libera cerca de R$ 90 bilhões do orçamento, por meio de artifícios como a mudança na forma como o teto de gastos é calculado, além de permitir o parcelamento do pagamento de precatórios, que são dívidas decorrentes de sentenças judiciais. A emenda já foi aprovada na Câmara.

> Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Sobre a reforma administrativa, Bolsonaro afirmou que valerá apenas para os servidores que entrarem a partir da aprovação. Os atuais funcionários não serão afetados.

"Amazônia não pega fogo", diz Bolsonaro a empresários árabes

Colunistas