nsc
nsc

Meio ambiente

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
18/09/2021 - 10h50 - Atualizada em: 19/09/2021 - 21h02
Tubarão nada em Balneário Camboriú, com a nadadeira dorsal sobre a água
Tubarão nada em Balneário Camboriú, com a nadadeira dorsal sobre a água (Foto: Reprodução)

A hipótese de que as obras de alargamento da Praia Central de Balneário Camboriú tenham atraído o grupo com pelo menos três tubarões-martelo que se aproximou na última quinta-feira (16) do Molhe da Barra Sul, levantada por especialistas, fez surgir outro questionamento: uma vez que os trabalhos ainda vão se estender por pelo menos mais um mês, qual o risco de que essas aparições inesperadas se tornem frequentes ao longo da obra?

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Para os pesquisadores ouvidos pela coluna, a hipótese é remota e o caso dos tubarões tende a ser uma situação isolada. Pelo menos dois fatores corroboram com a conclusão: as características da espécie, que dificilmente é vista em águas rasas, e o fato de que a dinâmica das obras de alargamento mais afasta do que atrai os animais. Isso significa que o avistamento desta semana pode ser considerado um fenômeno raríssimo. 

> Polícia investiga casal flagrado fazendo sexo na praia em Balneário Camboriú

Barriga cheia

O pesquisador Jules Soto, curador do Museu Oceanográfico da Univali, disse que a maneira como os tubarões foram filmados, com as nadadeiras para fora da água, mostra que estavam em um momento relaxado, pós-refeição. Isso indica que teriam sido atraídos para águas rasas em busca de alimentos. Ele indicou a possibilidade de que, ao revolver a areia, o trabalho de alargamento tenha deixado à disposição dos tubarões peixes como linguados e corvinas, que estão entre os favoritos do tubarão-martelo. Mas afirmou que essa seria uma situação absolutamente excepcional, que foge ao padrão de comportamento da espécie – e que não deve se repetir.

> Como era Balneário Camboriú no passado? Veja fotos do antes e depois da cidade

Águas rasas

O principal motivo para que o alargamento não atraia tubarões à beira da praia são as características de Balneário Camboriú. O oceanógrafo Paulo Ricardo Schwingel, doutor em Ciências Naturais pela Universidade de Hamburgo, na Alemanha, diz que animais como os tubarões-martelo não costumam nadar em águas costeiras, exceto em situações especiais, como na hora de dar à luz. Mesmo assim, preferem águas mais abertas e profundas, e não enseadas como a Praia Central de Balneário Camboriú.

> Vitrine do alargamento da praia em Balneário Camboriú, Barra Sul fica pronta esta semana

Obras afastam

Outro ponto que torna o avistamento um evento muito raro é que engordamento da praia afasta os peixes, já que aumenta a turbidez da água. Schwingel explica que as partículas de areias que ficam em suspensão na água, devido à movimentação das obras, representa risco de entupimento das brânquias, o que prejudica a respiração de animais como os tubarões – por instinto, eles evitam nadar em áreas assim.

- Ao contrário de atrair, a atividade de engorda de praia, que é remoção de sedimentos de um determinado local e reposição no outro, afasta organismos – avalia.

Schwingel diz que não se pode descartar a possibilidade de que os animais estivessem com algum problema de saúde, o que causaria o comportamento atípico.

> Qual é o risco de ser mordido por um tubarão nas praias de Santa Catarina

Mordida

Um dos principais questionamentos sobre o comportamento dos tubarões é o risco de mordidas de tubarão nas praias de Santa Catarina. A hipótese é considerada muito remota e “insignificante” pelos especialistas. Jules Soto diz que, caso um banhista se aproximasse dos tubarões que nadavam em Balneário Camboriú, a reação mais provável dos animais era que se afastassem, com medo.

Santa Catarina não tem registros de ataques de tubarão. Os casos mais recentes, em Navegantes e na Praia do Estaleiro, em Balneário Camboriú, são de mordidas leves e incidentais, em que o animal usou a boca como meio de “sondagem”.

Em 2019, após um encalhe de tubarão em Itapema, Soto disse à coluna que o temor de ser mordido pelos animais é irracional, e tem até nome: “Efeito Jaws”. O receio do ser humano em relação aos animais marinhos recebeu essa denominação depois do filme Tubarão, em 1975.

— A maior defesa do ser humano é correr ou subir em alguma coisa. No mar, não há como fazer nenhuma delas. É um dos únicos lugares no mundo em que o ser humano pode ser predado, por isso gera um medo primitivo – explicou.

Para quem preza pela razão, não há motivo para temer.

Monitoramento

A Secretaria de Meio Ambiente de Balneário Camboriu informou que está monitorando a ocorrência de animais nas proximidades das obras de alargamento da Praia Central. Técnicos ambientais estão a bordo da draga para paralisar os trabalhos em caso de aproximação de grandes animais, como baleias - o que, por enquanto, não ocorreu. 

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas