nsc
dc

Luto

Bruno Covas morre vítima de câncer aos 41 anos

Prefeito de São Paulo estava internado desde o começo do mês para tratar de um câncer

16/05/2021 - 09h00 - Atualizada em: 16/05/2021 - 09h36

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Bruno Covas morre vítima de câncer aos 41 anos
Bruno Covas morre vítima de câncer aos 41 anos
(Foto: )

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu na manhã deste domingo (16) aos 41 anos vítima de câncer no aparelho digestivo.

Na noite de sexta (14), um novo boletim médico informou que ele vinha "recebendo medicamentos analgésicos e sedativos" e estava acompanhado de familiares. "O quadro clínico é considerado irreversível pela equipe médica", diz comunicado.

> Morre Salézio Kindermann, fundador e presidente do time feminino do Avaí, de Covid-19 em SC

Bruno Covas, 41 anos, estava internado desde 2 de maio no Hospital Sírio-Libanês, onde fez tratamento contra um câncer na região do estômago. Naquele dia, ele foi internado para fazer exames de sangue, de imagens e de endoscopia para continuar o tratamento de quimioterapia e imunoterapia, segundo a prefeitura

Como a endoscopia mostrou que havia um sangramento no local do tumor inicial, na cárdia, entre o esôfago e o estômago, Covas foi intubado. Após passar por procedimento endoscópico e ter o sangramento estancado, ele foi extubado já no dia seguinte.

O prefeito de SP já havia ficado internado por 12 dias em abril, quando exames constataram que os tumores, originados no trato digestivo, haviam se alastrado para o fígado e também para os ossos. Teve alta no dia 27 de abril, mas voltou a ser internado no começo deste mês. Covas estava em tratamento de um câncer que se originou na cárdia e depois afetou também o fígado desde 2019.

Após um período com a doença controlada, recebeu em fevereiro deste ano, pouco após iniciar o novo mandato, quando foi reeleito em segundo turno em 2021, a notícia da piora de seu quadro. Foi diagnosticado um novo nódulo, e o prefeito retomou a quimioterapia.

> Duas cidades de SC vacinaram contra Covid mais de 25% da população; veja lista

Ele vinha evitando, desde então, afastar-se de suas funções na prefeitura, limitando suas licenças médicas. Em 2 de maio, porém, o prefeito decidiu se licenciar por 30 dias do comando da prefeitura de São Paulo. Naquela data, o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), passou a chefiar o Executivo.

À época, em seu perfil no Instagram, Covas publicou uma nota em que diz que solicitará à Câmara uma licença de 30 dias para se dedicar totalmente à sua recuperação e que tem certeza de que vai superar mais essa batalha. "Assim como tenho a convicção que o nosso vice Ricardo Nunes e a nossa equipe de secretárias e secretários manterão a cidade no rumo certo, cumprindo o nosso programa de metas e plano de governo, priorizando o combate à pandemia e seus efeitos", escreveu.

> Autor de ataque em Saudades escolheu creche pela fragilidade das vítimas

Também disse que nos últimos meses a vida vinha apresentado enormes desafios e que ele procurava enfrentá-los com fé, cabeça erguida e muita determinação. O prefeito vinha recebendo alimentação venosa suplementar para recuperar o peso perdido nos últimos meses. Ele já tinha sido tratado com quimioterapia e imunoterapia, mas a doença avançou no começo deste ano.

Bruno Covas exaltou a polícia ao assumir cargo de prefeito em 2018

Em 2016, mais conhecido por ser neto de Mário Covas (1930-2001) do que pela atuação discreta como parlamentar, Covas se tornou o vice na chapa de João Doria (PSDB) para a prefeitura como uma tentativa de pacificar o tucanato rachado pela escolha de um outsider como candidato.

Em abril de 2018, aos 38 anos, ele assumiria o posto de prefeito, deixado por Doria ao disputar o governo estadual. Em seu primeiro discurso no cargo, exaltou a política, contrastando com a bandeira de gestor apolítico do antecessor.

> Caso Evandro: relembre o crime assustador que virou série do Globoplay

Em diversos momentos e de forma crescente, o contraste se tornou atrito, ainda que não inimizade. A reeleição alimentou a aposta nos bastidores do partido de que o prefeito se tornaria um contraponto ao governador como principal voz do PSDB.

Na sede do Executivo paulistano, na noite desta sexta, o clima era de consternação, com secretários se abraçando e chorando. Em frente ao Hospital Sírio-Libanês, havia grande concentração de veículos de imprensa, aguardando novas informações.

> Receba as principais notícias do NSC Total no WhatsApp

Colunistas