A briga entre os irmãos Gagliasso foi um dos temas do primeiro episódio do podcast “Quem Pode, Pod”, apresentado pelas atrizes Giovanna Ewbank e Fernanda Paes Leme no Youtube.

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

O ator Bruno Gagliasso foi entrevistado pela mulher e pela amiga e afirmou que hoje acredita ser muito difícil uma reaproximação dele com Thiago Gagliasso, seu irmão eleitor de Bolsonaro.

— Em algum momento talvez sim. Hoje não consigo enxergar. Não sinto admiração e afinidade por ele. A gente pensa muito diferente. Não é pensamento político, é como a gente enxerga a vida — disse.

Segundo o artista, o rompimento não aconteceu por brigas políticas nas eleições de 2018, quando o presidente Jair Bolsonaro (PL) foi eleito.

Continua depois da publicidade

— Eu e minha mulher fomos expostos de um jeito que não gostaríamos — explicou.

Em 2018, Thiago contou na internet uma briga com a cunhada, quando disse que não sentia falta de Giovanna. “Nunca fomos amigos. Ela sempre foi fechada, uma pessoa um pouco mais difícil”, contou o irmão do ator nas redes sociais.

> “Me senti impotente”, diz mãe de criança que teria sofrido maus-tratos em creche de SC

— Hoje não vejo eu voltar a falar com o meu irmão. Não tem como. Vai contra tudo o que prego, tudo o que quero para os meus filhos — afirmou Bruno no podcast.

O ator prefere lembrar da infância dos dois, quando eram muito ligados. Bruno contou que o dia do nascimento do irmão foi um dos mais felizes de sua vida e revelou ter saudade de tudo o que viveu com Thiago.

Continua depois da publicidade

Outros assuntos foram abordados

Outros temas delicados também foram abordados na entrevista, como o período em que ele e Giovanna ficaram separados e os ciúmes que a mulher sentia de Fernanda Paes Leme, melhor amiga de Bruno. Emocionada, Fernanda contou que chegou a ser “desconvidada” para ser madrinha de casamento deles.

Os três falaram também sobre racismo e o ator detalhou como aborda o assunto com os filhos Titi, 9, e Bless, 7, que são crianças negras. Ele disse que tem medo que os dois sejam alvo de violência.

— Vou precisar ter um papo diferente do que vou ter com o Zyan — disse ele se referindo ao filho mais novo, de um ano, que é branco.

— O Zyan parar em uma blitz vai ser diferente do Bless. Isso me dá muito medo — afirmou.

Para ele, a melhor forma de defendê-los é oferecendo informação. Ele, Giovanna e Fernanda choraram ao falar sobre o tema. 

Continua depois da publicidade

Leia também

Técnico suspeito de assediar atletas em São José nega acusações em depoimento

Mini viatura da Guarda Municipal fará rondas pelos calçadões de Florianópolis; veja fotos

Mulher é atropelada, trânsito fica lento e gera colisão de veículos BR-101 em São José

Destaques do NSC Total