nsc
dc

Investigação

Cadeira quebrada pode ter motivado morte de venezuelano em SC, diz polícia

Três pessoas foram presas na quinta-feira (12) por envolvimento na morte de um jovem de 25 anos em Capinzal; um segue foragido

13/05/2022 - 17h26

Compartilhe

Luana
Por Luana Amorim
Crime ocorreu no Centro da cidade no domingo (8)
Crime ocorreu no Centro da cidade no domingo (8)
(Foto: )

Três homens foram presos suspeitos de matar a facadas um venezuelano em Capinzal, no Meio-Oeste catarinense. Uma quarta pessoa, que também teria envolvimento com crime, segue foragida. Segundo a Polícia Civil, uma das hipóteses para a morte é de que a vítima teria quebrado uma cadeira. 

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O caso ocorreu na noite de domingo (8), no Centro da cidade. A vítima, de 25 anos, estava com outros quatro conterrâneos em uma praça quando foi atacado com golpes de faca, chutes, socos e o gargalo de uma garrafa. O homem chegou a ser levado ao Hospital Nossa Senhora das Dores, mas não resistiu aos ferimentos. 

Por conta disso, um inquérito foi aberto pela Polícia Civil. São duas hipóteses levantadas para a motivação do crime: a primeira seria porque o jovem teria discutido com um dos suspeitos após, supostamente, ele se aproximar da namorada da vítima. A briga ocorreu na casa de outro envolvido.

Já a segunda hipótese é de que as agressões ocorreram após o homem quebrar a cadeira. Com as investigações, a polícia pediu a prisão preventiva dos quatro suspeitos. 

Três deles foram presos nesta quinta-feira (12). Segundo a polícia, eles teriam confessado a participação. Todos foram encaminhados ao Presídio de Joaçaba. 

Uma quarta pessoa segue foragida. A suspeita é de que ele tenha retornado para a Venezuela. Os homens devem reseponder pelo crime de homicídio qualificado. 

Leia também: 

Jovem tenta deixar balada sem pagar conta em Blumenau, mas acaba na delegacia por outro motivo

Megaoperação contra o jogo do bicho em SC sequestra imóveis milionários em Florianópolis

'Fábrica' de pornografia infantil em SC existia há 20 anos e fez centenas de vítimas, diz PF

Colunistas